Emoções causam dores não só na alma

Se você tem rinite, sinusite, dores de ouvido, problemas reumáticos, dores lombares, tonturas, fragilidade nos joelhos e dores de garganta preste mais atenção às suas emoções e sentimentos. Para a psicóloga Odegine Koppe, essas doenças são sinais de que algo está errado. Segundo ela, as pessoas precisam aprender a se conhecer melhor e mudar a postura diante da vida para se livrar de vez destes males.

Odegine lista uma série de problemas que ocorrem porque as pessoas não sabem trabalhar com suas emoções e sentimentos. Segundo ela, um dos casos mais complicados com que trabalhou foi o de uma espanhola que tinha câncer na coluna. A mulher de 32 anos estava num estágio bem avançado da doença, mas conseguiu reverter o quadro.

Segundo Odegine, durante as sessões de terapia a paciente descobriu que foi abusada sexualmente pela mãe quando era criança. Depois que casou ficou com medo, de modo inconsciente, de repetir o mesmo ato com os filhos. Sempre pedia para que nunca a deixassem sozinha com as crianças. Com o tempo, ela desenvolveu o câncer que a deixou imobilizada. "Foi a maneira que ela encontrou para garantir que não ia fazer mal aos filhos", diz Odegine. A psicóloga conta que em seis meses de tratamento a mulher ficou curada.

Outras doenças também estão relacionadas ao desequilíbrio emocional, como a rinite e a sinusite. Geralmente são pessoas que sentem dificuldade de viver a vida livremente. Para elas, passar os dias sem seguir um monte de regras parece ser impossível. Já o reumatismo pode revelar a falta de amor na infância e sentimentos de rejeição dos pais, amigos e professores.

Odegine diz que chegou a estas conclusões analisando os casos que atendeu nos últimos 15 anos em seu consultório. Para reverter o problema, conta que desenvolveu uma terapia batizada de Bioarte-Integração. O trabalho se desenvolve a partir do estímulo dos sentidos. São usados dança, música, perfumes, trabalhos com argila, fogo, entre outros, além de outras terapias, como a massoterapia e o uso de florais.

A psicóloga explica que depois das terapias as pessoas começam a mudar a forma de perceber o mundo e a se tornar pessoas mais positivas. "Quem assume o personagem "coitadinho" vive dizendo que ninguém consegue entendê-lo, que não tem ninguém. Mas, na verdade, ele é quem é muito fechado e agressivo. A forma como as outras pessoas tratam a gente é ditada pelo nosso próprio comportamento. Quando as pessoas vivenciam as experiências, conseguem ver isso de forma clara. Uma pessoa de bem consigo mesma passa a se relacionar melhor com os outros", exemplifica.

Ciência

O professor do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mário Negrão, afirma que existe uma explicação científica para a ligação de doenças a sentimentos e emoções.

Ele começa diferenciando as emoções dos sentimentos. Os sentimentos se localizam na mente – são as sensações de amor, alegria, raiva, tristeza, entre outras. Já as emoções são a contrapartida física para cada sentimento. O amor, por exemplo, pode provocar taquicardia e respiração acelerada.

As reações do corpo, ou seja, as emoções ocorrem de duas formas. A primeira delas age nos músculos, coloca o ser humano em movimento. Faz com que as pessoas tenham determinados comportamentos diante de certas situações. Pessoas que controlam as emoções vivem em sintonia com o ambiente e com a vida. Já as pessoas com problemas emocionais apresentam comportamentos considerados inadequados.

A outra é a reação física do corpo, que mexe com as vísceras. Quando estamos com medo podemos ter náusea, diarréia, taquicardia, suor, entre outras emoções. Segundo Negrão, quando se sofre constantemente com situações de estresse, o corpo é bombardeado a todo momento pelas emoções e elas podem causar as doenças chamadas de psicossomáticas. Entre elas, problemas de coração, estômago, rinite, sinusite. De acordo com o professor, ainda não foi confirmado cientificamente que o câncer tem relação com o desequilíbrio das emoções, mas suspeita-se que sim.

Voltar ao topo