São Paulo – A Embraer anunciou ontem que assinou com a Índia um contrato para a venda de cinco aeronaves Legacy. Quatro dos jatos substituirão os veneráveis Avro operados pelo Air HQ Communication Squadron da Força Aérea da Índia baseado em Palam, que transporta o presidente, o vice-presidente e o primeiro-ministro. O quinto Legacy será operado pela Força de Segurança de Fronteiras, subordinada ao Ministério do Interior.

“É com orgulho que a Embraer vê a inclusão do governo da Índia em sua base de clientes, contribuindo assim para o incremento da co-operação entre ambos os países. O jato Legacy tem renome internacional, e certamente proporcionará a seu novo operador segurança, eficiência de missão e custos reduzidos”, afirmou Maurício Botelho, diretor-presidente da empresa.

Ele disse que a relação com o governo da Índia é um compromisso de longo prazo, visando não apenas sua total satisfação com relação às aeronaves adquiridas, mas também o aumento da capacidade de operação aérea indiana no futuro. Todas as cinco aeronaves serão configuradas para o transporte de autoridades e membros do alto escalão do governo.

Os jatos terão 14 assentos, dois compartimentos separados para as autoridades e seu pessoal, e serão dotados de equipamentos especiais de autoproteção.

Financiamento

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) confirmou que vai conceder um financiamento no valor total de US$ 1 bilhão para a Embraer. Os detalhes serão anunciados na próxima semana, segundo o presidente da entidade, Carlos Lessa. Os recursos, informou, serão desembolsados gradualmente e financiarão operações futuras, uma das quais de grande monta.

Lessa confirmou ontem que a fabricante de aviões recebeu do banco neste ano mais de US$ 500 milhões relativos a operações sobre as quais havia pendências. “Resolvemos todas as pendências com a Embraer no primeiro semestre”, afirmou Lessa.