O dólar à vista negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fechou nesta sexta-feira (27) na cotação mínima, de R$ 1,894, em baixa de 1 81%, após subir ontem 3,43%. No mercado interbancário, o dólar comercial também encerrou na mínima, a R$ 1,894, mas com recuo de 1,76%. No dia anterior, o dólar comercial terminou com ganho de 3,27%.

A queda da moeda norte-americana em relação ao real refletiu o alívio verificado nos mercados externos com a recuperação no crescimento dos Estados Unidos. O Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano apontou expansão de 3,4% no segundo trimestre, a maior elevação desde os primeiros três meses de 2006. Mesmo assim, as Bolsas em Nova York oscilam em baixa esta tarde (a Bovespa tem leve alta), e os juros dos Treasuries (títulos do Tesouro dos EUA) também recuam, com alta de preços, o que mostra que os investidores continuam buscando proteção em títulos norte-americanos.

Internamente, segundo um operador, o Banco Central também favoreceu o declínio mais forte do dólar no final da sessão ao fazer, no leilão de compra esta tarde, um corte na taxa mais perto da proposta mínima declarada (R$ 1,9015) pelos participantes da operação. Isso teria estimulado tesourarias de bancos a ofertar moeda em mercado após o leilão, disse um operador.