A Receita Federal informou nesta quinta-feira, 29, que, em 2014, a carga tributária bruta foi de 33,47%, ante 33,74% em 2013. Segundo o órgão, a variação de 0,27 ponto porcentual é resultado da combinação do crescimento real de apenas 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) e do decréscimo de 0,8% da arrecadação tributária nos três níveis de governo.

Em 2014, a arrecadação tributária bruta foi de R$ 1,848 trilhão e o PIB atingiu R$ 5,521 trilhões. Já em 2013, a arrecadação tributária bruta foi de R$ 1,740 trilhão e o PIB chegou aos R$ 5,158 bilhões.

Entre as principais variações em relação ao PIB estão o FGTS e o ISS, com uma variação positiva de 0,07 ponto porcentual cada. Já nas variações negativas, o Cofins oscilou negativamente em 0,30 ponto porcentual e o ICMS em 0,08 ponto porcentual, explicado pelo fraco desempenho dos setores de indústria e comércio.

Segundo a Receita, os valores das cargas tributárias dos últimos dez anos, com exceção de 2009 e 2010, apontam um ligeiro decréscimo. “Essa tendência à estabilidade decorre do fato de que, nos últimos anos, não têm havido medidas tendentes a aumentar tributos, e sim um aumento considerável de benefícios tributários na forma de redução de alíquotas e concessão de regimes especiais”, diz estudo do órgão.