A Prefeitura de Curitiba, através da Urbs (empresa municipal que gerencia o transporte público), está analisando pedido feito pelas empresas de ônibus de Curitiba e Região Metropolitana para que a modalidade “Juntos” do aplicativo de transporte de passageiros Uber deixe de operar na capital. A solicitação foi feita em dezembro de 2018, por meio de ofício do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano e Metropolitano de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp).

O Uber Juntos é a modalidade que permite que passageiros com trajetos semelhantes dividam a corrida no mesmo carro, com redução do valor da viagem. De acordo com o ofício enviado pela Setransp à Urbs, o pedido pelo fim da operação no município é baseado na interpretação de que o compartilhamento de viagens configura transporte ilegal de passageiros.

“O serviço disponibilizado pela empresa Uber é similar ao ofertado pelas empresas operadoras do sistema de transporte público coletivo de passageiros no município de Curitiba, o que nos permite concluir se tratar de mais um caso de transporte ilegal de passageiros e e uma ocorrência predatória às redes de transporte público coletivo”, defende o Setransp no documento enviado à Urbs.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Em nota enviada à reportagem, o sindicato das empresas de ônibus vai além. A entidade defende que, se mantido o serviço do aplicativo, será preciso aumentar o preço da passagem do transporte público em Curitiba para compensar a perda de passageiros. “Os apps tiram passageiros do transporte coletivo. Como o valor da tarifa é, a grosso modo, a divisão dos custos pelo total de usuários, é preciso haver um aumento de preço para compensar a perda de passageiros, o que alimenta ainda mais a demanda por apps, criando um círculo vicioso”, enfatiza o sindicato na nota.

A Urbs avalia a situação, mas não tem prazo para emitir um parecer. “A Setransp fez esse pedido e encaminhamos para a área técnica, que está traçando alguns estudos para que possamos fazer a fiscalização de modo que esses aplicativos de transporte se deem de maneira regular. Também aguardamos um parecer jurídico e, se houver entendimento de ilegalidade, informaremos o município”, diz o presidente da empresa da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

+Leia também: Bicicleta de uso compartilhado vai parar dentro de rio, em ação de vandalismo

Conforme Maia Neto, porém, não há interesse por parte da Urbs ou do município de impedir o funcionamento dos aplicativos. “Não temos a intenção de impedi-los de trabalhar, mas temos que tratar do assunto para que eles funcionem de maneira regular. Entendemos também que os modais de transporte são complementares e que os modais que temos hoje trabalham em algum espaço não ocupado por outro”, afirma.

Já a Uber defende que o Uber Juntos não é uma modalidade de transporte coletivo, mas sim “um sistema que combina viagens individuais com trajetos convergentes para compartilhar o mesmo veículo, aumentando a eficiência do modelo”. Além disso, alega que o serviço não tem pontos ou itinerários fixos, e que complementa o transporte público, “ampliando o acesso dos usuários à rede pública principalmente na região central da cidade – exatamente onde existe maior necessidade de diminuir o fluxo de carros”.

+Leia também: Apostador do Paraná fatura prêmio do concurso 1769 da Lotofácil!

Outras cidades

Operadoras do transporte públicos de 15 cidades brasileiras já acionaram as respectivas prefeituras exigindo ressarcimento por perda de passageiros para o Uber Juntos. Empresas de ônibus de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Fortaleza e mais nove municípios da região metropolitana do Rio de Janeiro, além de Aracaju e Maceió, onde o serviço do aplicativo ainda não está em funcionamento,seguem o caminho do Setransp e defendem que o Uber Juntos é irregular. Por isso, pedem ao poder público compensação por supostos prejuízos decorrentes da perda de passageiros.

Calor extremo faz curitibanos ‘cozinharem’ de madrugada; entenda o que aconteceu!