A seccional paranaense da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel–PR) protocolou um pedido na prefeitura de Curitiba para a liberação gratuita de calçadas e estacionamentos fronteiriços a restaurantes, lanchonetes e similares para a instalação de mesas e cadeiras enquanto durar a situação de emergência. O pedido está sendo analisado pela secretaria Municipal do Urbanismo e, posteriormente, será encaminhado ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC).

A ideia, segundo o presidente da Abrasel-PR, Nelson Goulart Junior, já vinha sendo ventilada há algum tempo, mas ganhou ainda mais força pela pandemia do coronavírus. “Ao operarem dentro do protocolo de distanciamento social, os estabelecimentos perdem cerca de 70% do espaço interno. Fazer uso do espaço público para colocar cadeiras, mesas e toldos seria uma oportunidade de expandir a capacidade, além de ser mais seguro para os clientes”, afirma.

LEIA AINDA – Sem recursos pra quitar contas com a Copel, 70% do setor de bares e restaurantes tenta negociar

O presidente da entidade ainda ressalta que a solicitação vem “paralela ao reconhecimento das responsabilidades dos estabelecimentos para com a preservação do espaço público, do bem-estar social e de todas as questões sanitárias”.

O documento protocolado, por exemplo, proíbe a obstrução dos espaços para pedestres assim como a instalação de equipamentos de som. Além disso, os proprietários dos estabelecimentos são os responsáveis pela conservação e limpeza das calçadas e estacionamentos utilizados; e o benefício se restringe a restaurantes, lanchonetes e similares já instalados, com alvará de funcionamento expedido.

LEIA MAIS – Suplementação de zinco para prevenir covid-19 pode ter efeito contrário. Entenda!

De acordo o presidente da entidade, houve uma mudança no relacionamento entre os estabelecimentos e a prefeitura. “Os empresários estão mais cientes de suas responsabilidades e a confiança da prefeitura está maior. Há um tempo atrás, não se cogitava a ideia de abrir as portas do espaço público para que os estabelecimentos cuidassem sem ter que pagar algum tipo de taxa. Isso que estamos propondo agora é um avanço!”, afirma satisfeito.

Proposta paralela

Paralelamente à solicitação feita pela Abrasel-PR, o IPPUC produziu um caderno com propostas para o convívio seguro no espaço público, visando a sanidade diante da pandemia do coronavírus e também o fortalecimento econômico de Curitiba. Uma das propostas estudadas considera a ocupação de parte dos passeios e vagas de estacionamentos por bares e restaurantes em algumas regiões da cidade.

LEIA TAMBÉM – Contrato de empresa suspeita de fraude no agravame do Detran-PR é suspenso pela Justiça

A proposta se difere da solicitação feita pela Abrasel-PR no que diz respeito a demarcações específicas de espaços a serem utilizados. O projeto do IPPUC restringe a liberação ao Largo da Ordem, Setor Histórico e à Rua Prudente de Moraes, com a possibilidade de expansão para outras áreas, enquanto o documento protocolado na última semana solicita a liberação para todos os estabelecimentos com alvará de funcionamento expedido para restaurantes, lanchonetes e similares.