Quatro hospitais de Curitiba estão com as Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) lotadas e sem vagas para novos pacientes. Cruz Vermelha, Erasto Gaertner, Santa Casa e Evangélico estão todos ocupados, em tratamento aos pacientes com coronavírus. Na sequência, aparece o Hospital do Trabalhador, com 91% de ocupação. Já na região metropolitana, o Hospital Municipal de São José dos Pinhais está 100% ocupado (veja lista abaixo).

+Leia mais! “É triste morrer sem estar com quem ama”, relata enfermeira sobre UTI de covid-19 em Curitiba

Destes hospitais de Curitiba, o pior cenário é no Cruz Vermelha. O local abriga 17 vagas no total e está com 100% de ocupação entre UTIs e enfermaria. Na segunda posição está o Santa Casa, que tem na totalidade 20 leitos. Dez pacientes estão na UTI e sete na enfermaria. Na sequência, hospital Erasto Gaertner, que tem no total 40 leitos. Dez pacientes estão na UTI e 24 na enfermaria. Já no Hospital Evangélico, são 71 leitos para covid-19, tendo 23 pessoas na UTI e 42 na enfermaria. Ativar um leito de UTI para coronavirus custa caro. Entenda porquê.

Mesmo com hospitais que apresentam lotação nos leitos de UTI, a superintendente de gestão da Secretaria Municipal de Saúde, Flávia Quadros, explica que a situação é natural, que o sistema de saúde atua em rede e que o que deve ser considerado é a ocupação total na cidade e não de um hospital específico. “Temos 10 hospitais com leitos públicos para a covid-19 e é natural que um ou dois atinjam 100% da ocupação. O que a gente monitora é a taxa geral de ocupação. Temos um plano de contingência, podemos ativar mais leitos para aumentar essa capacidade, quando necessário”, ressaltou a superintendente. Além disso, ela explicou que é esperado que hospitais com pronto-atendimento, como o Hospital do Trabalhador e o Evangélico, por exemplo, tenham uma ocupação maior, pois o paciente pode acabar chegando direto.

+Viu essa? Hospital exclusivo para casos de covid-19 deve ser aberto em Curitiba

Curitiba tem ocupação de 81% das UTIs, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Para evitar um colapso no sistema, desde junho a prefeitura está colocando novos leitos para os pacientes. No Hospital Vitória, na Cidade Industrial de Curitiba, foram abertas 140 vagas. Além disto, o poder público avalia utilizar o prédio do antigo Instituto de Medicina e Cirurgia do Paraná, no bairro Alto da Glória.

Ocupação Hospitais em Curitiba, litoral e região metropolitana

Hospital do Trabalhador: 22 leitos de UTI com 20 ocupados (91%). Enfermaria com 34 leitos e 20 ocupados

Hospital do Idoso: 30 leitos de UTI com 25 ocupados (83%). Enfermaria disponível

Hospital de Reabilitação, anexo ao Trabalhador: 52 leitos de UTI com 47 ocupados (90%). Enfermaria com 32 leitos e 19 ocupados.

Hospital Municipal de São José dos Pinhais: dez leitos de UTI com todos ocupados.

Hospital de Clínicas: 61 leitos de UTI com 44 ocupados (72%). Enfermaria com 83 leitos e 63 ocupados.

Hospital Regional do Litoral: 10 leitos de UTI com todos ocupados. Enfermaria com dez leitos e com 2 ocupados

Hospital do Rocio em Campo Largo: 103 leitos de UTI com 80 ocupados (78%). Enfermaria com 212 leitos com 106 ocupados

Hospital São Lucas Parolin em Campo Largo: oito leitos de UTI com um ocupado (13%). Enfermaria disponível.


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo