Um grupo de professores invadiu a sede da Secretaria Estadual de Educação (Seed), no bairro Água Verde, em Curitiba, na manhã desta sexta-feira (30). Liderado pela APP-Sindicato, que representa os professores da rede estadual, o grupo ficou no corredor que dá acesso ao gabinete do secretário Renato Feder. Também participam do protesto estudantes e funcionários das escolas estaduais.

Os manifestantes invadiram o prédio por volta das 10h30 e saíram no começo da tarde.

O protesto é pela publicação do edital para contratação de 4 mil professores pelo Processo Seletivo Simplificado (PSS) que neste ano prevê prova durante a pandemia de coronavírus.  “Esse edital, além de ferir o objetivo deste momento de pandemia de preservar vidas, vai deixar muitos professores PSS desempregados em dezembro”, disse o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, em live no Facebok durante o protesto.  A APP-Sindicato cobra que seja mantido o processo anterior.

LEIA MAIS – Volta às aulas presenciais na rede estadual pode ser em novembro, anuncia Ratinho Jr

O sindicato também protesta contra o processo de implantação do sistema cívico-militar em 215 escolas do estado. Termina nesta sexta a votação das comunidades escolares para saber se adotam ou não o sistema em que a Polícia Militar assume o controle da infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívicos-militares.

Segundo Leão, o grupo invadiu a Seed porque o secretário Renato Feder teria se negado a atendê-los. Após a invasão, o grupo foi recebido pelo diretor da Seed, Gláucio Dias. Em nota, a Secretaria de Educação diz que já havia conversado com os professores sobre a mudança no PSS e, por isso, “estranha a radicalização por parte dos mesmos”.

VEJA MAIS – Emocional das crianças longe das escolas preocupa os pais: psicanalista orienta como agir

Abaixo, a nota completa da Seed sobre a invasão:

“A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) vem mantendo ao longo do ano diálogo cordial e transparente com os representantes sindicais dos professores. A Seed estranha a radicalização por parte dos mesmos. Sobre as críticas feitas pela entidade, vale destacar que a  Seed já havia conversado com os representantes dos professores sobre o processo seletivo simplificado e acatou algumas demandas propostas. Sobre a implantação dos Colégios Cívicos, todas as informações sobre o projeto que implementou a consulta pública foram repassadas para a sociedade, em especial na discussão do tema na Assembleia Legislativa do Paraná”.

Após invasão, manifestantes foram recebidos pelo diretor da Seed, Gláucio Dias. Foto: Seed