Em tempos de pandemia e reclusão social, o aparelho celular virou uma ferramenta importante para o dia a dia, com várias facilidades. No entanto, um dos aplicativos mais tradicionais se tornou virou motivo de preocupação para as autoridades policiais com o golpe do WhatsApp. A ação está sendo muito aplicada por estelionatários que buscam um ganho financeiro ao enganar familiares e amigos da vítima, que tem seu celular clonado.

LEIA MAIS – Albergue de crianças e pacientes com câncer é alvo de ladrões por três vezes em 48 horas

O alerta do crescimento neste tipo de golpe foi passado pelo delegado Emmanoel David, da Delegacia de Estelionatos de Curitiba. A estratégia do crime alterna bastante, para complicar a vida dos policias, mas o mais comum tem sido aquele no qual uma pessoa coloca um produto para vender ou trocar em aplicativos de celular. A ideia do criminoso é chegar nos contatos para pedir dinheiro. Quando se anuncia, o vendedor deixa um telefone para o interessado e aí que pode dar problema.

LEIA AINDA – Alerta da Anvisa sobre uso da ivermectina contra o coronavírus é reforçado pela Prefeitura de Curitiba

“O estelionatário liga para o telefone no anúncio e avisa que é funcionário do aplicativo e que o vendedor precisa confirmar um código de seis dígitos que foi enviado por uma mensagem de texto para validar o anúncio. No entanto, o código é uma verificação para que o WhatsApp permita ao criminoso acessar o perfil da vítima. Assim que o anunciante confirma os dígitos, o estelionatário desvia o whats da vítima para o celular dele”, explica o delegado.

Amigos e familiares

Com o perfil da vítima literalmente nas mãos, o criminoso começa a mandar mensagens para os principais contatos. Amigos, familiares são bombardeados com pedidos de socorro. “Em texto, inventa uma história que está com carro quebrado na estrada e que o mecânico não libera o veículo se não tiver o dinheiro na conta ou até mesmo que está hospitalizado. O dinheiro vai para conta de laranjas que são sacados na hora ou transferidos para outras contas”, informou Emmanoel David.

VIU ESSA? Desconto em aposentarias de servidores dispara no Paraná com novas regras

Para evitar prejuízos, a Polícia Civil orienta que as pessoas nunca enviem códigos, para quem quer que seja. Além disto, o usuário pode configurar seu aplicativo para habilitar o código em etapas. Para fazer isto, e tornar seus WhatsApp mais seguro, basta entrar na área de configurações e clicar em conta, depois, em confirmação em duas etapas.

Golpes na praça

Além do golpe do WhatsApp, outros estão circulando na praça. A cilada do bilhete premiado já chegou a R$ 30 mil de prejuízo em duas famílias. Em outro golpe, uma ligação de um possível sequestro chegou a matar um senhor em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba. E existe até um aplicativo falso chamado Covidi-19 Tracker, em que as pessoas, na procura por dados da doença, teriam seus celulares bloqueados.


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo