Médico foi socorrido entre a vida e a morte. Foto: Arquivo.
Médico foi socorrido entre a vida e a morte, mas não resistiu ao acidente. Foto: Arquivo.

“Ele não era só o meu pai. Era também o pai de todos que no IML trabalham”, disse, na manhã deste sábado (4), a filha do médico legista Alexandre Gebran, morto depois de um acidente de trânsito no Cabral. O médico legista foi velado na Capela Vaticano, no São Francisco, e vai ser sepultado no Portão, em Curitiba.

Para os colegas de trabalho de Gebran, a perda foi grande e dificilmente vai ser reparada. “Não só pela pessoa fantástica que ele era, mas também pelo excelente trabalho que desenvolvia e pela dinâmica desse trabalho. Ele não tinha horário pra estar ativo”, comentou o médico Jonatas Davis de Paula, diretor administrativo do Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba.

Conhecido por ser um médico ponta firme, Gebran esteve por trás de esclarecimentos de crimes que chocaram o Estado como o da morte da fisiculturista Renata Muggiatti e também de Tayná, adolescente que foi encontrada morta em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

“Além de perdermos um amigo, perdemos um excelente perito. E essa é também agora a nossa preocupação, de como darmos uma resposta para a sociedade nestes casos importantes em que ele estava envolvido”, comentou o diretor administrativo do IML.

Com a mesma firmeza e honestidade de seu pai, a filha de Gebran prestou sua homenagem seguindo dentro de uma das viaturas do IML até o Cemitério Jardim da Saudade, no Portão, onde foi o sepultamento. “Ele era fantástico. Não era um simples médico, era um médico de almas. Um profissional que ensinou muito a todos, o tempo todo”, disse a moça.

O acidente

Alexandre Gebran estava num Renault Fluence do IML quando, no final da manhã de quarta-feira (1), foi atingido pelo motorista de um Gol na Avenida Paraná, no Cabral. Com a pancada, o Fluence foi arremessado a um poste. Todo o acidente foi registrado por uma câmera de monitoramento.

O motorista do Gol, um jovem de 27 anos que teve ferimentos leves, já recebeu alta do hospital e prestou depoimento à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). Conforme o delegado Vinícius Augustus de Carvalho, o rapaz vai responder em liberdade por homicídio culposo.