Médico foi socorrido entre a vida e a morte. Foto: Arquivo.
Médico foi socorrido entre a vida e a morte. Foto: Arquivo.

Uma conversão proibida deixou o médico Alexandre Antonio Saad Gebran Neto, 66 anos, do Instituto Médico-Legal (IML) gravemente ferido num acidente no cruzamento da Avenida Paraná com a Rua Vereador Garcia Rodrigues Velho, no Cabral. A colisão aconteceu por volta das 10h30 desta quinta-feira (2), e além do médico o outro motorista, de 27, também se feriu.

Conforme apurou a Tribuna do Paraná, o Gol seguia pela Avenida Paraná sentido Centro e a viatura no sentido ao bairro Boa Vista. No cruzamento, o motorista do Gol fez uma conversão proibida à esquerda e colidiu contra a viatura.

Com o impacto, o Renault Fluence do IML foi jogado contra um poste e ficou complemente destruído. Segundo os socorristas, o médico ficou preso às ferragens. “Nos passávamos pelo local bem na hora e ajudamos no resgate. Ele foi levado ao hospital já quase não respondendo aos sinais vitais. Estado gravíssimo”, disse o socorrista Ricardo, do Samu.

Gebran foi encaminhado, entre a vida e a morte, ao Hospital Evangélico. Já o motorista do Gol teve ferimentos leves. Ele foi levado ao mesmo hospital que o médico, mas sem risco de morrer. A assessoria de imprensa do hospital informou que não vai passar detalhes sobre o estado de saúde do médico.

A Direção da Polícia Científica do Paraná informou, em nota, que peritos do Instituto de Criminalística estiveram no local para colher material e dar início à produção do laudo do acidente. Uma equipe da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) também foi ao local e coletou imagens de câmeras que podem auxiliar no esclarecimento do acidente.

Câmera flagrou:

A dinâmica do acidente estava confusa até mesmo para os policiais militares que registraram o boletim de ocorrência. Momentos após a colisão, as equipes descobriram que uma câmera de monitoramento da URBS registrou a imprudência do motorista no acidente com a viatura. Veja:

Cruzamento tenso

Moradores disseram que o cruzamento costuma ser local de vários acidentes. “Minha esposa mesmo já foi vítima de acidente aqui. Os motoristas não respeitam a sinalização e isso tem sido o principal motivo”, desabafou Jefferson Fornaggio, 54.

O homem, que mora na região há 24 anos, disse que a única solução é um sinaleiro. “Já que as placas e toda a pintura no asfalto não adianta, o semáforo pelo menos iria fazer com que os motoristas respeitassem”. Veja o que disse o morador: