Depois de dois meses do pedido, a encomenda de origem chinesa está para chegar à sua casa. E junto pode vir o temido coronavírus, que já infectou 6 mil pessoas e vitimou 132 pessoas na China? A resposta é não.

Assim como outras doenças respiratórias, o coronavírus não dura um dia fora do corpo humano. O contágio ocorre como no caso da gripe, através de gotículas respiratórias transmitidas por tosse e espirros de curta distância.

NÃO SE ENGANE – Quatro passos para você não cair nas fake news do coronavírus

A transmissão também ocorre através de objetos contaminados. Mas, neste caso, explica o secretário estadual de Saúde do Paraná, Beto Preto, como as encomendas levam muito tempo até chegar ao destinatário, o vírus não sobrevive.

“Não existe esta possibilidade [de as encomendas da China trazerem o coronavírus] ou até mesmo o chá de erva-doce que evitaria o coronavírus. Não temos nada a esconder com boatos e as equipes de saúde estão recebendo orientações”, relata o secretário de Saúde.

LEIA+ Paraná descarta dois casos e acompanha uma suspeita de coronavírus

As encomendas chinesas geralmente chegam por contêineres e ficam em média 40 dias no caminho ou até mais. Além disso, pode ocorrer um atraso nos portos brasileiros para liberar a carga ou mesmo na entrega dos Correios. Para quem necessita urgência, existe a chance de o produto vir por avião de carga. No entanto, o custo é mais caro e demora em média de cinco a dez dias para chegar ao país.

Como prevenir o coronavírus

  • Lavar as mãos com frequência, ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal.
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir.
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença. 
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis e após lavar as mãos).