As aulas presenciais nas escolas da rede municipal de Curitiba seguem suspensas até 31 de outubro. A decisão da prefeitura saiu na manhã desta sexta-feira (25), com a publicação do decreto municipal 1.259. As aulas estão suspensas na capital paranaense dia 23 de março, no início da pandemia de coronavírus.

De acordo com a prefeitura, enquanto o retorno não é autorizado, crianças e estudantes seguem acompanhando os conteúdos do currículo por videoaulas na TV aberta (canais 4.2 e 9.2 em Curitiba) e no YouTube. Uma audiência pública realizada pela Câmara Municipal de Curitiba também deve discutir o assunto, na tarde desta sexta-feira.

Favorável à volta dos estudantes para as salas de aula, a secretária municipal de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, falou, no entanto, em audiência pública na Câmara Municipal quinta-feira (24) que a decisão não cabe mais à pasta que ela comanda. “Isso já não nos pertence mais, pois estamos impedidos [por medidas judiciais]. Agora é a sociedade que tem que decidir isso”, afirmou.

VIU ESSA? Para secretária de saúde de Curitiba, algumas escolas já poderiam estar funcionando

“Fomos interpelados por uma ação civil pública. Várias, aliás, que a gente respondeu, do Ministério Público e, inclusive, chegou ao ponto de numa vídeo reunião com um promotor de ser feita ameaça a todos os membros do comitê, em processo criminal, cível e administrativo”, relatou Huçulak, sobre o grupo que avalia as medidas de combate à propagação do Sars-CoV-2.

Judicialização

Ainda segundo Márcia, a volta às aulas estava em debate na prefeitura, mas a judicialização do tema travou esse avanço. “Só tenho a lamentar a ação de grupos que não querem nem ouvir falar disso”, disse a secretária, que também afirmou que em crianças, os casos de covid-19 não costumam se apresentar de maneira grave.

LEIA AINDA – Ratinho Jr encaminha projeto para criar 200 colégios militares no Paraná

“É óbvio que a gente não está dizendo que, ao voltar para a escola, que a criança não pode desenvolver a covid-19. O que nós sabemos, discutindo com os infectologistas, é que 99% dos jovens abaixo dos 19 anos vão ter a covid-19 de forma leve. Tivemos 1% de casos [de jovens, em Curitiba] que internaram. E são casos de crianças que não estariam em escola, em creche. Foram crianças que adquiriram a covid-19 por estar indo aos hospitais para se tratar [de outras condições médicas]”, declarou Márcia, que ainda “lamentou pelas crianças”, por entender que “a escola tem um papel social de proteção da criança e do adolescente”.