Brasília – O futebol foi um dos temas da conversa entre os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Bolívia, Evo Morales, que ligou para o Palácio do Planalto na manhã desta sexta-feira (18). Ele pediu apoio para reverter decisão da Federação Internacional de Futebol (Fifa) de proibir jogos internacionais em cidades situadas 2.750 metros acima do nível do mar, exceto quando houver a devida aclimatação.

?O presidente Morales mencionou a esse respeito o problema causado a seu país por tal decisão, que exclui parte do território boliviano das competições futebolísticas internacionais. Morales pediu o apoio do presidente Lula para reverter essa determinação?, afirmou o porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach.

O comitê executivo da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) discutirá o tema em reunião na terça-feira (22) em Santiago, no Chile. Segundo o porta-voz, o presidente Lula assegurou que antes da reunião fará gestões internas e internacionais em apoio ao pedido da Bolívia ? e de outros países sul-americanos ? para que a medida restritiva seja reconsiderada.

Segundo Marcelo Baumbach, Lula deverá enviar cartas à Fifa e à Conmebol. Já para o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, poderá fazer uma ligação telefônica e também enviar carta.

A decisão da Fifa deixa de fora do calendário de jogos internacionais, por exemplo, a capital da Bolívia, La Paz. O motivo da proibição são os freqüentes problemas de saúde de jogadores estrangeiros ao disputar partidas em altitudes elevadas.

O porta-voz afirmou que Lula "considera legítimas as preocupações relativas à saúde dos atletas, mas considera que deve ser levada em conta também a importância da prática desportiva como fator de integração e como oportunidade para a confraternização internacional".

O tema já fora tratado na última viagem de Lula à Bolívia, em dezembro, quando o Brasil declarou apoio ao país. Na conversa de hoje, os dois presidentes também trataram da visita ao Brasil do vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, em fevereiro.