enkontra.com
Fechar busca

Brasil

Governo

Servidores ficarão sem salário se reforma da Previdência não passar, diz Paulo Guedes

Foi a primeira vez que o ministro mencionou que o pagamento da folha poderia ser interrompido caso a reforma não passe no Congresso

  • Por Jéssica Sant’Ana - Gazeta do Povo
Ministro Paulo Guedes. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Ministro Paulo Guedes. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o pagamento de salários de servidores federais será interrompido se reforma da Previdência não for aprovada no Congresso. Ele diz que o governo federal está quebrando, ao contrário da iniciativa privada, e que a interrupção do pagamento de salários do funcionalismo será “a primeira coisa a acontecer”. Ele também disse que seria o “colapso” de estados e municípios.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

“200 milhões de brasileiros precisam disso [da reforma da Previdência], mas tem seis, sete, oito milhões que se beneficiam dessa fábrica de desigualdade [que é a Previdência atual] e que querem impedir a reforma”, afirmou o ministro em evento promovido nesta segunda-feira (25) pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). “Servidores públicos deveriam entender, e até a maioria entende, que [a reforma] é uma forma de garantir suas aposentadorias e seus salários”, completou.

+ Leia mais: Ex-presidente Michel Temer vai deixar a prisão

Ele também ressaltou que prefeitos e governadores serão “apedrejados” caso a reforma não passe, porque os governos estaduais e municipais também não terão mais dinheiro para pagar os aposentados e servidores. “O déficit da Previdência está engolindo as finanças públicas dos governos.”

Ministro atribuiu desgaste com Maia à falha de comunicação

Foi a primeira vez que o ministro mencionou que o pagamento da folha poderia ser interrompido caso a reforma não passe no Congresso. Até então, ele estava concentrado em dizer que a proposta era uma forma de salvar as futuras gerações do atual regime previdenciário e de resolver a crise fiscal.

+ Leia ainda: Quem é Alex Rato? Conheça o novo vereador de Curitiba, que tomou posse nesta segunda

As declarações surgem após uma semana conturbada, em que o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) entrou em rota de colisão com o Executivo.

Sobre a polêmica, o ministro falou que trata-se de um problema de comunicação, por se tratar de um governo novo. “Há um problema evidente de comunicação. É um governo chegando”, disse Guedes. “As principais lideranças políticas vão superar eventuais problemas de comunicação”, completou o ministro.

Guedes também disse que Maia apoia a reforma da Previdência e que não será diferente agora. Ele também afirmou que está confiante na relação com o Congresso, pois acredita que os parlamentares sabem do tamanho do desafio e têm consciência da necessidade de aprovar a reforma.

+Leia também: Curitiba pode ter mais de 20 bairros sem água já no começo da semana. Veja a lista!

“Se alguém for derrubar algum ponto [da reforma], eu só peço que não fique abaixo de R$ 1 trilhão”, afirmou ao mencionar qual é a economia esperada com a reforma da Previdência ao longo de dez anos. O projeto enviado pelo governo prevê um ganho fiscal de R$ 1,082 trilhão.

“Eu acredito que teremos a reforma aprovada. Isso interessa a todos os prefeitos, aos governadores, ao Distrito Federal. Isso interessa a todos nós. Eu acredito nisso”, afirmou o ministro, que aproveitou para pedir o empenho de todos em prol da Nova Previdência. “Tem uma agenda extraordinária pela frente porque a qualquer momento você pode morrer por causa do colapso previdenciário.”

Agenda que virá após a reforma

Sobre as agendas que poderão ser implementadas após a aprovação da reforma, o ministro citou o Pacto Federativo, uma proposta para desvincular e desindexar o Orçamento Federal, e a reforma tributária, que vai unir oito ou nove impostos federais em um único imposto.

+ Leia também: Ratinho Jr. tem mais de 75% de aprovação em Curitiba, média superior à de Greca

Ele também citou que um objetivo do governo é acabar com o monopólio de gás da Petrobras e que com isso será possível reduzir os custos. O ministro afirmou, ainda, que o acordo da cessão onerosa com a Petrobras já foi fechado e será anunciado nos próximos dias, viabilizando o leilão do pré-sal ainda neste ano.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Bandido em fuga entra na contramão na BR-277 e mata motociclista

 

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

6 Comentários em "Servidores ficarão sem salário se reforma da Previdência não passar, diz Paulo Guedes"


João Gonçalves
João Gonçalves
23 dias 11 horas atrás

A ESQUERDA QUEBROU O PAÍS COM SEU POPULISMO BARATO!

Dante Alighieri
Dante Alighieri
23 dias 15 horas atrás

Além de mentiroso e falastrão, ainda quer incutir o medo nos outros?

Capi Roto Galhardo
Capi Roto Galhardo
23 dias 16 horas atrás

História pra boi dormir

wttfckmofo
wttfckmofo
23 dias 16 horas atrás

conta outra Paulo guedes seu falastrão!

Julio Cesar
Julio Cesar
23 dias 18 horas atrás

Contas que não fecham, tudo muito fácil de entender – Exceto ao esquerdista, este só repete o que seus arrebanhadores pregam.
Problema é fazer uma reforma que atenda ao trabalhador de menor renda e sem privilégios a certos grupos – E o modelo proposto deixe a desejar nestes pontos.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas