enkontra.com
Fechar busca

Brasil

Cidade goiana vive um dia de faroeste

  • Por Agência Estado

Goiânia – Eram 9h40 da manhã quando a pacata cidade de Posse, no interior de Goiás, virou cenário de faroeste. Vinte homens encapuzados e fortemente armados invadiram a cidade em quatro caminhonetes Ranger e S-10 de cabine dupla, atirando contra as pessoas que andavam na rua. O pânico tomou conta da cidade e os moradores correram desesperados tentando fugir das balas. Na porta do Banco do Brasil e do Banco Itaú, eles renderam quem passava pelo local e proibiram a aproximação de outras pessoas, enquanto parte da quadrilha assaltava os bancos, que ficam um de frente para o outro.

A aposentada Edinéia Valente, de 70 anos, é surda e não ouviu os tiros e gritos de advertência. Levou dois tiros no peito quando tentava entrar na agência do Banco do Brasil. “Ela ia pegar a aposentadoria”, contou o empresário Luís Carlos Vaz, que assistiu à cena esgueirando-se entre os carros, a um quarteirão de distância. Edinéia era tia do prefeito de Posse, Stanley Valente (PSDB).

Cinco policiais militares que tentaram se aproximar do cerco foram baleados e estão internados. O major Victor Hugo, comandante da 2.ª Companhia Independente da Polícia Militar, levou um tiro na perna quando descia do seu carro. Apesar de ter perdido muito sangue, está fora de perigo.

Mil tiros

Ao mesmo tempo, em outro ponto da cidade, parte da quadrilha assaltava a agência do Bradesco e uma agência lotérica da mesma forma. “Eles atiravam o tempo todo. As ruas estão cheias de cartuchos (de balas)”, contou Vaz. “Eles devem ter disparado uns mil tiros”, calculou o promotor da cidade, Jalles Guedes Coelho Mendonça. Alguns dos bandidos usavam fardas e coletes da Polícia Militar.

Localizada a 506 quilômetros a noroeste de Goiânia, próxima à fronteira de Goiás com a Bahia, Minas Gerais e Tocantins, a cidade de Posse nunca tinha assistido a uma ação tão violenta. “Parecia guerra civil”, descreveu Mendonça.

Reféns

Segundo o promotor, apenas oito homens da Polícia Militar estavam em serviço . “Eram oito PMs armados de revólveres 38 contra 20 homens armados de fuzis AR-15, escopetas e metralhadoras”, comparou.

Depois de assaltar os três bancos da cidade e a lotérica o grupo colocou reféns nas carrocerias e fugiu. Na arrancada, quatro reféns caíram dos veículos. Segundo a Polícia Militar, os assaltantes fugiram em direção ao Estado da Bahia pela BR-020, e no caminho deixaram 4 reféns na estrada – entre eles, um policial ainda não identificado.

Próximo à fronteira com a Bahia, os assaltantes abandonaram as caminhonetes e fugiram pelo matagal.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas