São Borja

  – O deputado federal Luís Carlos Heinze (PPB-RS), que foi presidente da Comissão de Agricultura na Câmara dos Deputados, pagava os salários do capataz de sua Fazenda Três Pontas, no município de São Borja, Rio Grande do Sul com dinheiro público. Em 1999 Heinze contratou Jesus Salvador Santos Fraga através de seu gabinete como secretário parlamentar, com salários vinculados à Câmara Federal. Este porém exercia a função de motorista e capataz da fazenda Três Pontas.

Em maio deste ano, Fraga começou a sofrer de labirintite e tirou uma licença para tratamento. Quando ele foi renovar a licença, foi demitido pelo deputado. Por isso entrou com uma ação trabalhista cujo acordo foi assinado no dia 6 de agosto na Justiça do Trabalho de São Borja. O assessor parlamentar Fraga reclamou os salários de capataz rural que nunca recebeu e explicou que vivia da remuneração de R$ 690,00 proveniente de sua função na Câmara, a qual nunca exerceu. O deputado Heinze destacou-se como presidente da Comissão de Agricultura da Câmara onde conseguiu a renegociação da dívida dos agricultores passando-a do Banco do Brasil para o Tesouro Nacional.

Também por ter votado contra as propostas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e da criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da corrupção. Em 1987, no início de sua carreira ele esteve envolvido no escândalo do “Pró-várzea -papel “.