Que o brasileiro perde muito tempo com internet, todo mundo sabe. Mas agora um estudo mundial aponta que o Brasil é o terceiro país em que a população mais gasta tempo em aplicativos. O levantamento da consultoria App Annie aponta que os brasileiros ficam, em média, 3 horas e 45 minutos por dia em aplicativos. Em relação à pesquisa anterior, de 2017, os brasileiros aumentaram em 15% o tempo em apps.

O Brasil só é superado pela Indonésia e China. Na Indonésia, as pessoas mexem em programas de celular por 4 horas e 40 minutos por dia, enquanto que na China o tempo diário são 4 horas. Depois do Brasil, vêm Coreia do Sul (3h40) e Índia (3h30).

LEIA+ WhatsApp agora tem emoji de chimarrão, preguiça e alho. Só não tem capivara de Curitiba

O volume de dowloads nos três últimos anos no Brasil também teve um aumento significativo nos três últimos anos. Entre 2016 e 2019, a quantidade de programas baixados no país aumentou 40%, atingindo 5 bilhões ano passado.

Apps de dinheiro

Tanto no Brasil quanto no mundo, os aplicativos de finanças são os mais acessados. O acesso a esse tipo de app foi 1 trilhão de vezes em 2019, um crescimento de 100% na comparação com 2017. O Brasil também ficou em terceiro no ranking desse tipo de programa, atrás apenas da Índia e da China.

Mas enquanto alguns países já têm a maioria de acessos em carteiras virtuais (China e Coreia do Sul), no Brasil e em outros (como Indonésia, França e Alemanha) as transações digitais são realizadas em sua maioria por apps de bancos. Os apps mais baixados nessa categoria foram Nubank, FGTS, Picpay, Caixa e Mercadopago.

Compras

O Brasil seguiu na terceira colocação também no ranking do crescimento em tempo gasto em apps de compras, atrás da Índia e Indonésia.

Entre 2018 e 2019, os brasileiros ampliaram em 32% a sua presença nesse tipo de ferramenta. Os apps mais baixados com essa finalidade foram Mercadolivre, Americanas, Magazine Luiza, AliExpress e Wish.

A colocação foi mantida também no caso dos apps de entrega de comida. O número de sessões nesse tipo de ferramenta entre os usuários daqui foi de 8 bilhões, ficando atrás dos Estados Unidos (10 bi) e da Indonésia (20 bi).