Parte dos painéis digitais de trânsito, instalados em 2012, está sendo retirada das ruas de Curitiba. Até o momento, não há qualquer previsão de readequação ou reuso dos equipamentos, que custaram R$ 9,5 milhões em sua instalação. O problema foi mostrado pela Tribuna em 2017.

+ Leia ainda: Primeiro lugar no Vestibular da UFPR tem 17 anos e não fez cursinho

Colocados nas vias como infraestrutura para a Copa do Mundo de 2014 – a capital foi uma das cidades-sede –, os painéis de mensagens variáveis (PMVs) tiveram seu contrato de manutenção encerrado em 2015, ainda na gestão de Gustavo Fruet (PDT). Na prática, como apuraram reportagens anteriores da Gazeta do Povo, eles só funcionaram bem de 2012 a 2014. De lá para cá, vinham sendo utilizados parcialmente, sobretudo porque alguns estavam sucateados.

Segundo a prefeitura, nove dos 44 equipamentos já foram recolhidos e outros deverão ser retirados nas próximas semanas. “Furtados e vandalizados, os painéis – cuja gestão municipal anterior deixou sem contrato de manutenção – estão sendo retirados gradativamente e a Superintendência de Trânsito (Setran) está analisando sua utilização e possível aproveitamento das peças”, justifica a Setran.

+ Leia mais: Restituição do DPVAT 2020 será liberada para mais de 100 mil veículos no Paraná

Ainda de acordo com a prefeitura, embora o problema seja antigo, somente agora um estudo está sendo feito para avaliar quantos estão em condição de uso, qual seria o custo de manutenção ou a melhor destinação aos equipamentos e peças, mas o trabalho ainda está em fase inicial.

Em 2018, porém, a prefeitura havia dito, em resposta a um pedido do então vereador Goura (PDT), hoje deputado estadual, que para colocar novamente em funcionamento os PMVs gastaria R$ 3,5 milhões. A manutenção custaria R$ 1 milhão, segundo o Executivo.