Divulgação
Os dados são da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Foram ouvidas pessoas em 311 municípios, inclusive Distrito Federal.

Falta de incentivo do governo, dificuldade de acesso aos livros, falta de atenção dos pais, falta de costume. Qual dessas razões é a mais possível? Ou são todas elas? O fato é que o brasileiro lê muito pouco ou quase nada. Nós lemos, em média, 4,7 livros por ano. Na região Sul, a média é um pouco mais alta: 5,5 livros per capita. Entre pessoas que possuem formação superior, passa para 8,3 livros/ano. As mulheres também lêem mais que os homens, 5,3 contra 4,1 anualmente. Já o público entre 11 e 13 anos é campeão em leitura: 8,6.

Os dados são da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pelo Instituto Pró-Livro ao Ibope Inteligência e divulgada semana passada, em Brasília (DF). Para que ela fosse realizada, foram ouvidas pessoas em 311 municípios brasileiros, pertencentes a todos os estados da Federação, inclusive Distrito Federal.

Segundo a pesquisa, a maioria dos entrevistados (77%) disseram gostar de assistir televisão no tempo livre. Ler fica como a quinta atividade preferida dos brasileiros, sendo que 60 milhões de pessoas declararam gostar de ler nas horas vagas.

?Os segmentos da população onde essa preferência é maior são a Classe A (75%), entre os que possuem formação superior (79%), renda familiar acima de dez salários mínimos (78%) e entre os espíritas (76%). Outro dado interessante é que a preferência pela leitura nas horas vagas chega a 44% entre os que têm ou já tiveram algum educador na família e cai para 29% onde nunca houve ninguém ligado à educação?, diz a pesquisa. ?A maioria das pessoas que declararam ler em seu tempo livre está no Sudeste (45% ou 43,4 milhões). Na região Sul, são 13,2 milhões (14%)?.

O papel da família nos hábitos de leitura também foi avaliado. Especialista afirmam que é durante a infância que se inicia o gosto pela leitura. Entre as crianças de 5 a 10 anos de idade, 73% disseram que as mães são as que mais as estimulam a ler. Um em cada três leitores consultados disse ter lembranças da própria mãe lendo algum livro. Já 87% afirmaram que os pais liam para eles quando estavam aprendendo a ler. ?O bom exemplo dos pais faz a diferença?, contata o estudo.

Em relação às dificuldades para ler, 16% dos entrevistados disseram ler muito devagar, enquanto 7% declararam não conseguir compreender a maior parte do que acabaram de ler e 11% afirmaram não ter paciência para ler. ?Já 7% não conseguem se concentrar e 8% possuem algum tipo de limitação física, como a baixa visão. 15% dos brasileiros não lêem porque são analfabetos ou ainda estão em fase de aprendizagem e não dominam completamente as técnicas de leitura. Só 48% dizem não ter qualquer tipo de dificuldade?.