O Paraná Clube não pretende ceder a Vila Capanema para jogos do Atlético na Série B, nem que para isso tenha que buscar medidas judiciais. A diretoria recebeu com surpresa a informação de que mesmo diante das negativas, o jogo Atlético x Barueri (1.º de junho) será no Durival Britto. O presidente Rubens Bohlen espera uma notificação oficial da CBF para tomar as medidas cabíveis. “Nossa posição não muda. Deixei claro ao Virgílio Elísio (diretor de competições da CBF) que não vamos aceitar imposições”, disse o presidente Rubens Bohlen, que foi ao Rio de Janeiro na quinta-feira passada.

Na oportunidade, explicou os motivos que levam o Paraná a não ceder seu estádio. “Creio que nossos motivos são concretos. Há a questão do gramado e o fato de que somos adversários na Série B. Temos uma grande preocupação com a segurança”, disse o presidente paranista. Durante o Campeonato Paranaense já houve incidentes que acabaram sendo contornados pelas diretorias dos clubes. Uma placa (comemorativa ao projeto Vila Tá Na Hora!) foi danificada e os banheiros pichados. Além disso, a cada jogo, sempre houve uma preocupação grande em relação à sede da torcida Fúria Independente, que fica bem perto da Vila Capanema. “Como não participamos do Paranaense, conseguimos administar isso. No Brasileiro, isso seria impossível”, lembrou o superintendente Celso Bittencourt.

A cúpula tricolor espera que esse impasse seja resolvido administrativamente. “O Coritiba se negou a ceder o Couto Pereira e foi atendido. Nós queremos uma postura igualitária da CBF”, completou Bittencourt.