O título histórico na vitória sobre o Coritiba nos pênaltis, por 3×2. após empatar por 1×1 no tempo normal, dentro do Couto Pereira, no último domingo (24), pela final da Taça Barcímio Sicupira Júnior, deixa o Toledo com uma vaga na final do Campeonato Paranaense. E mais do que isso, garante vagas na Copa do Brasil e Série D de 2020.

+ Leia também: Toledo tem seu herói e faz a festa do interior no Paranaense

Com 15 anos de história, o Porco disputou apenas uma divisão nacional na sua história, a Série C, em 2008, e vivia uma gangorra entre a elite do Estado e a divisão de acesso. Em sua primeira decisão nesse período, a equipe seguiu seu modelo de jogo, marcou uma vez e segurou a igualdade até as penalidades. A taça coroou uma campanha invicta, com duas vitórias e seis empates, e que já coloca o time na finalíssima do Estadual, algo que nunca tinha ocorrido.

“É um título inédito, invicto, algo muito importante para a carreira e para o clube. É muito bom ser campeão, com jogadores humildes que vieram para dar sequência na carreira”, declarou Júlio Pacatto, o camisa 10 da equipe.

Com baixo orçamento, o Toledo teve o suporte do técnico Agenor Piccinin, que tem carreira apenas em equipes do Sul do Brasil. No Paraná, ele comandou Arapongas (2009), FC Cascavel (2017), Cascavel CR (2018) e agora retornou ao Porco depois de uma passagem há nove anos. O segredo para fazer história, de acordo com o treinador, foi fazer o elenco acreditar no impossível.

+ Mais na Tribuna: Coritiba tenta esquecer derrota e elenco fala em reação imediata

“Acho que tem que confiar nos jovens e eles oportunizaram. Sempre confiamos neles e foram coroados, que tenham um futuro brilhante. Tivemos fé e vontade de vencer. Não é fácil montar um grupo e, se não tiver uma liderança, não atinge o objetivo”, comentou o comandante de 63 anos.

Técnico do Porco, Agenor Piccinin tem sua grande parcela na conquista do time. Foto: Albari Rosa
Técnico do Porco, Agenor Piccinin tem sua grande parcela na conquista do time. Foto: Albari Rosa

Herói da final diante do Coxa, após já ter se destacado ao pegar duas penalidades contra o Operário, na semifinal, o goleiro André Luiz desempenhou muito bem durante os 90 minutos com, ao menos, três defensas importantes e teve papel fundamental nos pênaltis. Após Wilson e Iago Dias errarem, ele defendeu mais duas cobranças, de Juan Alano e Igor Jesus, abrindo caminho para a batida de Eduardinho, que decretou o título.

+ Luto: Morre o jornalista Roberto Avallone

“É um alívio, não consigo falar, estou muito emocionado. A minha família está toda aí, saíram lá de Toledo. Estou muito feliz por esse momento. A gente trabalhou com humildade, pés no chão e deu tudo certo‘, disse o arqueiro, ainda no gramado do Couto.

Após a conquista, o Toledo terá duas semanas até a estreia na Taça Dirceu Krüger, contra o Athletico, na Arena da Baixada, no dia 9 de março. Se conquistar o segundo turno, o Porco fatura o Paranaense de forma direta.

+ APP da Tribuna: As notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!