Sob protestos de alguns dirigentes e grandes clubes brasileiros, como o São Paulo, Grêmio e Atlético-MG, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, divulga amanhã o calendário que será imposto pela entidade ao esporte, no Hotel Le Meridien, no Leme, zona sul, às 11h. De acordo com o documento, a partir de 2003, o Campeonato Brasileiro passa a ser disputado em oito meses, e os Estaduais, em 12 datas. Os torneios regionais ficam extintos.

Apesar da contrariedade dos clubes, Teixeira diz ter o apoio da maioria dos presidentes de federações estaduais de futebol. O dirigente calcula ter o respaldo de 25, do total de 27 entidades. Os presidentes das federações de São Paulo e Pernambuco, Eduardo Farah e Carlos Alberto Oliveira, respectivamente, afirmaram ser contra o novo calendário.

Oliveira prometeu ir à Justiça para impedir a ?falência? dos clubes brasileiros. Para o dirigente pernambucano, o presidente da CBF transformou o futebol brasileiro em um ?laboratório de pesquisas?.

Defendeu a manutenção do modelo atual, com a disputa no primeiro semestre dos campeonatos estaduais, regionais e Copa do Brasil.

?Ele (Teixeira) está vendo qual a fórmula mais rentável, por isso, muda a toda hora. É uma política elitista para beneficiar 20 clubes?, esbravejou o Oliveira. ?Só vou esperar sair o calendário, assinado pelo Ricardo, para entrar na Justiça.? Divulgado o calendário, a expectativa ficará para a fórmula de disputa do Brasileiro de 2003. A tendência é a de que a competição seja realizada no sistema de turno e returno, por pontos corridos. A decisão competirá ao conselho técnico do campeonato, formado pelos presidentes dos clubes participantes.