Que a situação financeira do Paraná Clube é muito delicada, todos já sabem. Logo após a despedida da Série B do Campeonato Brasileiro, o diretor de futebol Alex Brasil foi aos microfones para ressaltar que o Tricolor só iria fazer o planejamento de 2020 após fechar a conta da temporada atual.

Com isso, há um entrave para que o Paraná possa confirmar, de fato, a permanência do próprio dirigente, a contratação de um novo técnico e pensar em quais prioridades terá no ano que vem. Tudo isso está nas mãos do presidente Leonardo Oliveira, que não tem aparecido para a torcida.

Recentemente, em uma reunião do conselho, o mandatário esteve presente somente quando o assunto era o futuro da Vila Capanema – conforme adiantou a Tribuna, o Tricolor estuda um projeto para construir um novo estádio no valor de R$ 400 milhões. No entanto, Leonardo deixou a reunião quando o assunto foram as pendências financeiras.

A reportagem entrou em contato na última semana com Alex Brasil, que confirmou que a situação segue a mesma e o Paraná não tem uma direção para traçar um perfil de contratações para 2020. Até o momento, o único nome ventilado para reforçar o elenco é o do atacante Gustavo Mosquito, que foi revelado no Coritiba e pertence atualmente ao Corinthians.

O jovem atleta de 22 anos saiu de forma conturbada do Coxa e não agradou no Timão, sendo emprestado ao Vila Nova e ao Oeste em 2019. Ao todo, Mosquito disputou 15 jogos na temporada e não marcou nenhum gol.

A tendência é que esse seja o perfil de reforços para o Tricolor no ano que vem. Sem recursos financeiros, o departamento de futebol deve apostar na parceria com outros clubes por meio de empréstimos.