Parece que agora vai. Depois de três tentativas frustradas, enfim a sede social do Paraná Clube no Boqueirão foi vendido. No quarto leilão do terreno, que aconteceu nesta quinta-feira (29), o terreno foi arrematado pela Conforto Imóveis, por R$ 7 milhões. No entanto, ainda será preciso confirmar a compra.

O imóvel estava avaliado em R$ 18,1 milhões. Porém, diante de tantas tentativas, o valor acabou caindo leilão após leilão, que começou no final de marco.

No primeiro leilão, feito em 30 de março, uma empresa de São Paulo arrematou a sede por R$ 9,1 milhões – metade do valor inicial. Mas como os investidores fizeram um lance condicionado, conseguiram desistir da negociação sem justificativa oficial logo após visitarem a sede no dia seguinte ao leilão.

Sede do Boqueirão estava abandonada pelo Paraná Clube. Foto: Gerson Klaina
Sede do Boqueirão estava abandonada pelo Paraná Clube. Foto: Gerson Klaina

Já na segunda tentativa, realizada no início de abril, a empresa Ônix Empreendimentos venceu com a proposta final de R$ 9,25 milhões . Entretanto, o valor total foi pago com dois cheques sem fundo, o que causou o cancelamento do leilão na Justiça. Na terceira vez, no começo de junho, não houve nenhum lance.

A ordem para o leilão do imóvel de 22 mil metros quadrados foi decorrente de uma ação do ex-professor de futsal do clube, Vinícius dos Santos frança, expedida pela 2.ª Vara do Trabalho de Curitiba. A expectativa da direção é utilizar o valor recebido do leilão para pagar dívidas e liberar recursos bloqueados, como cotas de televisão e premiação da Copa do Brasil, por ações trabalhistas que o Paraná enfrenta na Justiça.

O dinheiro retido nos cofres foi um dos motivos da venda do mando de campo do jogo contra o Atlético-MG, pela Copa do Brasil, para o empresário Naor Malaquias, que utilizou o Couto Pereira para realização da partida na última quarta-feira (24).