O clássico entre Paraná Clube e Coritiba, neste sábado (5), às 16h30, na Vila Capanema, vai marcar o duelo entre dois goleiros formados na base de seus clubes. De um lado Thiago Rodrigues, nome forte do elenco e que tem uma longa história na meta paranista. De outro, Rafael Martins, que soma apenas sete jogos com a camisa coxa-branca no profissional e que agora terá a primeira chance como titular no ano.

Thiago Rodrigues tem 30 anos e uma vida inteira ligada ao time no qual iniciou sua trajetória quando tinha apenas 16 anos. Sua estreia como profissional foi em 2010 e, desde então, ele soma duas passagens pelo clube, com um total de 72 partidas.

Em 2011, após uma fratura na cabeça que o fez ficar cinco dias internado, ele passou a usar um capacete que lhe rendeu o apelido de ‘Petr Cech das Araucárias’, em referência ao goleiro tcheco que, na ocasião, defendia o Chelsea, da Inglaterra. O goleiro ficou no Paraná até 2013 e depois teve passagens por Rio Branco, Caxias, Guarani e Figueirense.

Em 2018, retornou ao seu clube de origem, mas precisou ter paciência para se firmar de vez na titularidade. Ele até iniciou o ano passado entre os 11, mas apenas porque Richard – então herói do acesso em 2017 – estava lesionado. As oportunidades surgiram e neste ano o panorama mudou. O jogador passou a ser o nome principal da meta e se mostrou essencial ao time. Em toda sua carreira como atleta, inclusive, este é o ano em que ele mais entrou em campo: até aqui foram 33 atuações. Antes disso, no Figueirense, havia feito 31 partidas, em 2017.

Já Rafael Martins, de 27 anos, não conta com tanta rodagem e tem apenas sete jogos com a camisa alviverde. O atleta sofreu ao longo de sua vida profissional com muitas lesões e nunca se firmou na meta do Coritiba, único clube em que atuou.

Com a suspensão de Alex Muralha para o clássico, terá mais uma chance que ele garante que vai agarrar como a grande oportunidade da vida. No início da temporada, era apenas o terceiro goleiro, mas com a saída de Wilson ele agora terá a missão de melhorar suas marcas no clube.

O goleiro soma em sua trajetória duas vitórias e cinco derrotas, com 12 gols sofridos, o que representa uma média de quase dois gols por jogo (1,71). Sua estreia foi em 2016, na derrota por 2×0 para a Ponte Preta. Rafael Martins só voltou a entrar em campo em 2018, por conta das lesões de Wilson. Os resultados foram de derrota por 3×0 para o Maringá, 2×0 para Guarani e Ponte Preta, 5×2 para o São Bento, e vitórias por 1×0 sobre Goiás e Fortaleza.

+ Confira a classificação da Série B

O duelo entre os goleiros e seus times valerá pela 26ª rodada da competição. O Coritiba soma 37 pontos e é o quinto na tabela, enquanto o Paraná Clube é o 11º com 35 pontos. Ou seja, vencer será fundamental para a briga pelo acesso e um resultado positivo passará diretamente pelas boas atuações dos arqueiros.

Leia mais:

+ Agora no Coxa, Robson retorna à Vila Capanema
+ Jogador do Tricolor relembra passado com prisão e drogas e se emociona
+ Clássico é divisor de águas para o Coritiba
+ Paraná quer usar o clássico do primeiro turno pra ‘virar a chave’