Christian Toledo
Luís Mário garante que vai jogar.

Buenos Aires, Argentina – Ele quer jogar. Apesar de estar sentindo dores na coxa direita, o atacante Luís Mário garante que participa do jogo de amanhã, às 21h15, no Gigante de Arroyito, contra o Rosario Central, pela Copa Libertadores da América.

Após participar de cerca de trinta minutos do treino de ontem, o “Papa-léguas” voltou a reclamar, e segue sendo a principal dúvida alviverde para a partida decisiva.

No início do trabalho, Luís Mário tentou um rápido trote e já reclamou de dores. “Quando eu dou um pique, já começo a sentir. Mas tenho certeza que vou estar em campo contra o Rosario Central”, diz o atacante. Ele tem tanta confiança que não teve dúvidas em pedir para treinar – meio a contragosto, o médico William Yousef consentiu.

Ele participou do trabalho de finalizações, realizado no CT do River Plate – sem alegar problemas, mesmo que saísse mancando vez ou outra. A cada pedido do médico alviverde que ele parasse, Luís Mário pedia “mais uns minutinhos”. “Ele está mancando um pouco, por isso pretendemos deixá-lo mais tempo descansando”, diz Yousef, no que é apoiado pelo próprio técnico Antônio Lopes. “Vamos segurar um pouco, Luís”, avisa.

Ao sair do trabalho, o atacante deitou-se no gramado e foi rapidamente atendido pelos médicos. As dores preocuparam técnico e diretoria (que acompanhava de perto o treino), mas o “Papa-léguas” não parece preocupado. “Eu vou sentir dores até o início do jogo, mas vou para o sacrifício”, reconhece. “É a hora da gente se entregar, não podemos perder mais na Libertadores”, diz.

Luís Mário sabe que é, hoje, o jogador mais importante do Coritiba – mais até que Aristizábal, que ainda está entrando no time. Além disso, é a referência (ao lado do colombiano) para os adversários, que temem o forte ataque alviverde. E ainda será o líder do time dentro de campo, pois Antônio Lopes definiu que Ari mais uma vez ficará fora da equipe, entrando apenas no segundo tempo. “A tendência é essa, porque o nosso planejamento caiu por terra”, diz o treinador, lembrando a expulsão do colombiano contra o Rio Branco.

Time pronto

Assim, o time está pronto, com Laércio no ataque e a permanência de Ígor na armação. O único jogador a não treinar foi Adriano, que está fortemente gripado e foi poupado. “Ele está muito indisposto, por isso é melhor deixá-lo de fora”, explica William Yousef. O trabalho foi de média intensidade – a pedido dos jogadores. “Eles reclamaram da viagem, que foi muito desgastante”, justifica o técnico, com o time pronto.

Falta apenas Luís Mário -mas ele garante que joga. “Vamos esperar, mas eu acho que não vamos ter problemas”, espera Antônio Lopes. O atacante quer marcar de novo sua passagem pela Argentina, assim como em 2001. “Foi contra o Talleres, em Córdoba, pela Copa Mercosul. Estava de aniversário, fiz dois gols e vencemos por 2×0. Quero repetir isso em Rosario”, finaliza.

Miranda, agora um titular absoluto

Buenos Aires

– Quando chegou a Lima, no início do mês passado, o zagueiro Miranda parecia ser uma das “invenções” de Antônio Lopes, que naquele jogo contra o Sporting Cristal arriscara uma mudança radical na tática e na escalação do Coritiba. Agora, na Argentina, o jovem jogador (19 anos) é titular absoluto, cobrador de pênaltis e um dos destaques da equipe.

Uma transformação rápida e surpreendente para um atleta inexperiente. “Lá em Lima, a gente ainda estava se adaptando, o time era diferente e o elenco também”, confessa Miranda, que foi um dos que mais se abateu com a goleada imposta pelo Sporting Cristal. “Eu realmente senti a pressão, mas agora está tudo legal”, confirma.

Isso é verdade. De lá para cá, Miranda “tomou conta” da posição, formando uma sólida dupla com Reginaldo Nascimento. “É muito bom jogar com ele, porque transmite segurança e passa muita tranqüilidade. O Nascimento é hoje um dos melhores zagueiros do Brasil”, comenta, com empolgação. O entrosamento aumenta a cada jogo, tanto que na partida contra o Rio Branco ambos tiveram boa atuação.

Para coroar o bom jogo em Paranaguá, Miranda marcou o gol da vitória – em um jogada que teve a participação de Reginaldo. “Eu fico muito feliz, porque agarrei a oportunidade que o professor Lopes me deu e não a desperdicei”, afirma o zagueiro, que já tem dois gols no campeonato paranaense, um deles de pênalti. “Eu era o cobrador oficial no time júnior, e a comissão técnica me deu confiança para cobrar nos profissionais”.

Com segurança, o jovem zagueiro não aparenta preocupação com a pressão que a torcida do Rosario Central deve fazer amanhã. “Eu acho que nós estamos preparados para o que vier. Nossa preocupação tem que ser jogar futebol, e o que acontecer fora de campo não pode nos impressionar. Temos que jogar bola e ir para cima deles”, resume Miranda.

Rosario deve ter casa cheia

Buenos Aires

– Rosario programa uma grande festa para amanhã. A expectativa da diretoria do Rosario Central é que quarenta mil “canalhas” (como são chamados os torcedores da equipe) estejam no Estádio Gigante de Arroyito para a partida contra o Coritiba. Embora mal no campeonato argentino, o Central lidera o grupo 9 da Copa Libertadores, e considera o jogo contra o Coxa decisivo para a classificação. Tanto que o técnico Miguel Angel Russo não colocou todos os titulares na partida do último final de semana – um empate (1×1) com o Chacarita Juniors.

Para o jogo contra o Cori, retornam o zagueiro Carbonari, os meias Pablo Sánchez e Herrón e os atacantes Belloso e Herrera. Na visão da imprensa local, volta a “espinha dorsal” do Rosario.

A equipe argentina teve duas atuações distintas na Libertadores. Na primeira rodada, não tomou conhecimento do Olimpia e venceu (2×0) em pleno Defensores del Chaco. No jogo seguinte, dentro de casa, o Sporting Cristal dificultou a vida do Central, que empatou (1×1) no último minuto. A provável formação para a partida de amanhã conta com Gaona; Ferrari, Carbonari, Talamonti e Rivarola; Messera, Herrón, Papa e Pablo Sánchez; Belloso e Herrera.