Foi uma pole histórica. Aliás, Felipe Massa está se especializando nessas marcas que entram para os compêndios. Foi o primeiro vencedor de um GP na Turquia e também na pista de rua de Valência, na Espanha. Ontem, acrescentou mais uma ao seu currículo: fez a primeira pole position noturna da história da Fórmula 1, e a primeira no circuito urbano de Cingapura.

Massa conseguiu uma daquelas voltas que, daqui a alguns anos, ele lembrará como “perfeita”. “É muito difícil acertar em todas as curvas numa pista como essa, e eu consegui. É um sentimento ótimo”, disse o brasileiro que, graças à posição de largada, pode ultrapassar Lewis Hamilton hoje na classificação do mundial.

Basta terminar a corrida do jeito que ela vai começar, com o inglês em segundo.
Se isso acontecer, Felipe vai a 87 pontos, contra 86 do piloto da McLaren. Eles dividem a primeira fila hoje e os holofotes nesta reta final de campeonato.

Hamilton teve um sábado irregular e na classificação quase ficou fora da parte decisiva, com os dez mais rápidos. Terminou o Q2 em décimo, na conta do chá.
No Q3, fez até uma volta boa, em 1min45s465.

Mas Massa voou e, com 1min44s801, foi 0s664 mais veloz que o rival. É uma diferença assombrosa, tratando-se de F1. Na segunda fila ficaram Kimi Raikkonen, da Ferrari, e Robert Kubica, da BMW Sauber.

A prova promete, hoje, porque devem acontecer muitos acidentes em função das ondulações do piso do circuito de Marina Bay. Os carros saltam muito, os muros são próximos e é fácil perder o controle e se estatelar nas barreiras de proteção.

Por isso, as equipes trabalham com a previsão de algumas entradas do safety-car, o que pode mudar o panorama da corrida radicalmente. Se nada de anormal acontecer, porém, será uma corrida aborrecida.

Apesar da beleza do cenário ao longo da Baía de Cingapura, ainda mais cintilante à noite com suas 1.620 lâmpadas espalhadas pelos 5.067 m da pista, o traçado asiático é muito estreito e proibitivo para ultrapassagens.

Por isso que a pole de Felipe foi tão importante em sua luta pelo título. Algo que Hamilton procurou desdenhar. “Não me preocupo com isso. Talvez nossas estratégias sejam diferentes. Fiz uma volta boa, mas não perfeita. A do Felipe foi perfeita. Mas estou satisfeito com minha posição de largada. Seremos muito competitivos”, falou o britânico.

Com 61 voltas previstas, o GP de Cingapura, 15.ª etapa do mundial, deve esbarrar no limite de duas horas de duração. Isso se não chover, possibilidade não descartada pelos serviços meteorológicos. A largada acontece às 20h locais, 9h de Brasília.