A derrota para o Fluminense no último domingo deixou marcas que vão acompanhar o Atlético pelo menos até o início da partida contra o Atlético-MG no próximo domingo. A maneira com que o adversário carioca engoliu o time atleticano assustou e atordoou o técnico Doriva, que tentou sair do sufoco durante toda a partida, mas não teve êxito. Para vencer em Belo Horizonte o comandante rubro-negro deverá mudar de esquema tático para povoar o meio-campo e corrigir as falhas apresentadas.

O Furacão entrou em campo duas vezes armado no esquema 4-3-3. Na primeira oportunidade, venceu o Criciúma por 2×0 e envolveu o adversário com velocidade e preenchimento de espaços, além de marcação adiantada e eficiente. Contra o Fluminense a coisa não ornou. Na conta básica, o time carioca tinha dois jogadores a mais que o Rubro-Negro naquele setor e o toque de bola rápido, aliado à movimentação constante dos jogadores, acuaram os atleticanos.

Contudo, as dificuldades que o adversário impôs poderiam ser minimizadas, mas as atuações individuais de alguns jogadores contribuíram para o baixo rendimento do time. “Dava para marcar melhor com os mesmos jogadores”, disse Guilherme de Paula, comentarista da equipe do Paraná Online. O susto representado pelo placar contra o Fluminense deve forçar Doriva a alterações. “Pelo susto ele vai mudar, não que precise fazer isso para o time jogar melhor. É preciso haver uma organização tática, sem necessariamente ter que mexer nos jogadores”, complementou.

Ao projetar um time mais parecido com aquele que enfrentou e venceu o Flamengo fora de casa, Doriva volta ao 4-4-2 mais tradicional. Bady que entrou no time no decorrer da partida contra o Flu pode voltar no lugar de um dos atacantes: Marcelo, Ederson ou Douglas Coutinho. O último tem vaga praticamente garantida, afinal é o que mais tem se destacado no setor. Ederson vive um interminável jejum de gols e Marcelo ainda não retomou o ritmo que tinha antes da última lesão.

A decisão será tomada no decorrer da semana. Doriva já deixou claro que prefere manter um padrão de time e alterar apenas ao se deparar com o inevitável. Porém, disse também que molda sua equipe no que oferece o adversário. Por isso, não estão descartadas outras alterações na equipe para o jogo contra o Galo. A única certeza é a saída de Weverton, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, para a entrada de Santos.

Paraná Online no Google Plus

Paraná Online no Facebook