Finalmente, o torcedor do Atlético poderá ter o privilégio de ver das arquibancadas da Arena da Baixada uma grande decisão. Nesta quarta-feira (12), o time disputa o título da Sul-Americana, contra o Junior Barranquilla, a partir das 21h45, em casa.

+ Leia mais: Furacão quer entrar de vez no “grupo dos grandes”

Nos outros três principais momentos decisivos vividos pelo Furacão em sua história recente, nenhum aconteceu em território atleticano. O título do Campeonato Brasileiro, em 2001, foi confirmado no Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul. A decisão da Libertadores, em 2005, foi no Morumbi, mas antes disso, o jogo de ida da final da competição, contra o São Paulo, foi “arrancada” a força de Curitiba. Além disso, a primeira partida da final da Copa do Brasil, em 2013, contra o Flamengo, precisou ser realizada na Vila Capanema.

+ Tá chegando: Atlético confia no fator Arena

No título brasileiro de 2001, a finalíssima, no dia 23 de dezembro, foi realizada no território do São Caetano porque o time paulista fez uma campanha melhor da que fez o Furacão. Na ida, mostrando a importância do torcedor, o Rubro-Negro fez 4×2. Na decisão, o 1×0 garantiu a taça.

Já a final da Libertadores da América foi marcada por problemas muito mais burocráticos e que gerou sérios desentendimentos entre a diretoria do Atlético e do São Paulo, o outro finalista. Isso porque, na ocasião, a Arena da Baixada não tinha a capacidade de 40.000 lugares exigida pela Conmebol para a realização da partida.

+ Mais do Furacão: Atleticanos vivem expectativa para “o jogo do ano”

Para aumentar a capacidade do estádio – que era de 22 mil -, foram instaladas, às pressas, arquibancadas tubulares para comportar o público. Porém, a diretoria do São Paulo foi contra jogar em um espaço improvisado para a torcida. Na época, a recusa foi vista com maus olhos e proposital, já que a realização do duelo em outro local dificultaria a vida do Furacão, que não contaria com o apoio de sua torcida. Toda a indefinição trouxe momentos de angústia aos torcedores, que viram a maior decisão de toda a história do Atlético ser “despachada” para o Beira-Rio, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Já na final da Copa do Brasil, em 2013, a Arena da Baixada estava fechada para obras por conta da Copa do Mundo de 2014.

+ Confira: Esquema de trânsito será especial para a final

Após a partida de ida com o Junior Barranquilla, no empate em 1×1 na Colômbia, o atacante Pablo – autor do gol do Atlético – confirmou a importância desse confronto dentro da casa atleticana. “Da nova Arena, é sim. Teve jogo da Copa do Mundo, mas com certeza é o maior jogo da história da Arena”, falou o artilheiro.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!