Apesar de ter passado em branco, o setor ofensivo do Athletico apresentou uma melhora de desempenho na derrota para o Vasco. O Furacão teve, pelo menos, quatro chances claras para marcar, mas, ainda, com problemas para ser efetivo no ataque. Nos últimos seis jogos, o Furacão marcou duas vezes, sendo que em quatro deles não balançou as redes. Abner e Geuvânio anotaram os gols.

Tabela do Brasileirão 2020: veja a classificação e todos os jogos

No último domingo (6), Eduardo Barros optou por um ataque diferente, com o estreante Fabinho, Bissoli e Geuvânio. “Fizemos várias tentativas no ataque, transformando a posse em chances reais. Tivemos um aumento no número de finalizações, mas, infelizmente, a bola não entrou. Acredito que, se a gente tivesse em um momento de mais tranquilidade, teríamos tido uma maior frieza em alguns lances”, disse o técnico interino.

Segundo o aplicativo de estatística Sofascore, o time rubro-negro finalizou 14 vezes, sendo que quatro foram em direção ao gol, e sete foram de dentro da área, com uma posse de bola de 68%.

Para Fabinho, faltou tranquilidade ao setor ofensivo. “Todo time quer vencer, mas acredito que vamos se acertar no caminho. Faltou um pouco mais de calma, ter menos ansiedade para tomar a melhor decisão no ataque”, disse o atacante.

Na quarta-feira (09), o Athletico terá a chance de deixar de lado essa sequência de seis jogos sem vitória, contra o Botafogo, na Arena da Baixada, às 17h30.

+ Mais do Furacão:

+Jogadores de Athletico e Vasco protestam com braços cruzados no início do jogo
+ Vasco x Athletico: em busca de soluções, Eduardo Barros se atrapalha


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?