O presidente do Athletico, Mario Celso Petraglia, explicou os motivos que o levaram a ser o único a não aceitar a proposta da CBF de mandar jogos no Brasileirão fora da sua cidade de origem caso não tenha liberação da prefeitura local para a realização do futebol.

De acordo com o dirigente, as perdas, dentro e fora de campo, serão enormes, uma vez que o clube é que será responsável para buscar um lugar para treinar e jogar.

“A CBF pôs em votação com 80% das cidades estando liberadas. As que, por ventura, estiverem impedidas para treinamentos e jogos, o problema será do clube, que encontre uma outra cidade para treinar e jogar”, disse Petraglia, em entrevista à Tribuna do Paraná/Gazeta do Povo.

“Não podemos aceitar que o Athletico, como proposto pela CBF, vá treinar e jogar fora da sua cidade e estádio. O prejuízo técnico, performance e financeiro seria muito grande. Como temos as principais capitais liberadas, ou prestes a serem liberadas, caso de São Paulo, no nosso entendimento é totalmente injusto o início do campeonato com essa determinação” completou ele, que estranhou, por exemplo, o fato de o rival Coritiba votar favorável à proposta.

+ Cristian Toledo: Paranaense deve voltar em 15 de julho

Na noite da última quinta-feira (25), em uma reunião online com os representantes dos 40 times que disputam as séries A e B do Campeonato Brasileiro, ficou definido que o torneio voltará no final de semana dos dias 8 e 9 de agosto. Porém, ainda existem as ressalvas a respeito da liberação da prática de esportes em cada cidade.

De qualquer forma, a decisão não tem que ser unânime. No entanto, é preciso a adesão de pelo menos 16 times (80% dos participantes). Se este número for menor, o Brasileirão pode ser adiado e não começar no início de agosto.

Ou seja, se na prática a maioria dos clubes aceitarem a ideia de mandar jogos fora de seus estádios, os que forem contra terão que acatar e ficam dependentes das determinações das prefeituras.

“Simplesmente o STF definiu que os prefeitos são os responsáveis por suas cidades. A ciência ainda estuda o caso do Covid-19 e, com isso, não há uma posição igual pela pandemia ser diferente em cada cidade”, acrescentou Petraglia.

+ Mais do Furacão:

+ FPF e clubes se reúnem sobre volta do Paranaense e Hélio Cury critica prefeitura
+ Ex-jogador de Athletico, Coritiba e Paraná testa positivo pro Covid-19
+ Há seis anos, Arena e Curitiba se despediam da Copa 2014 em jogo emocionante


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?