Na história recente, o Palmeiras adquiriu duas casas. Se o estádio Allianz Parque, em São Paulo, é a nova arena para mandar jogos desde 2014, Atibaia é o refúgio certeiro para as horas decisivas. Às vésperas de lutar pela permanência na Copa Libertadores, nesta quarta-feira, contra o Barcelona, do Equador, o técnico Cuca fez questão de voltar ao interior do Estado de São Paulo e renovar a tradição iniciada em 1993.

A passagem desta vez será rápida. O time viajou no último domingo à noite, depois da derrota para o Atlético Paranaense, pelo Campeonato Brasileiro, e retorna à São Paulo na manhã desta terça-feira. No único dia de treinos, nesta segunda, o Palmeiras realizou duas atividades.

Supersticioso, Cuca se apegou à relação positiva entre Palmeiras e Atibaia para levar o elenco pela quinta vez ao hotel em que o time se concentra na cidade. “É um lugar que traz um ar positivo. Não teria necessidade, mas é importante mudar o ambiente e buscar algo que te faz bem”, explicou. Nas quatro idas anteriores, em 2016, a equipe ganhou após passar pelo local.

A ida breve ao interior satisfaz Cuca pela chance de fortalecer o grupo. O treinador costuma realizar fora dos treinos atividades de integração, como bingos e brincadeiras que valem prêmios. O mesmo objetivo de unir o elenco levou o técnico a pedir semanas atrás para o Palmeiras aproveitar a sequência de três jogos fora de casa (Flamengo, Sport e Cruzeiro) para continuar com o elenco junto, sem voltar para São Paulo entre os compromissos.

A estrutura bem aparelhada e privativa do hotel fez o clube abrir mão por uns dias do moderno Centro de Excelência inaugurado pela diretoria neste ano. O local custou quase R$ 20 milhões, bancado pela Crefisa e pelo ex-presidente do Palmeiras, Paulo Nobre.

HISTÓRICO – Há 24 anos, o técnico Vanderlei Luxemburgo iniciou a ligação com Atibaia ao ver o time sofrer no Campeonato Paulista com brigas internas e maus resultados. Ele resolveu, então, promover um retiro no interior para resolver essas questões. Como a aposta deu certo, voltou ao hotel no mesmo ano antes de outros momentos importantes.

Nos anos seguintes o time repetiu a escolha. Mais recentemente, esteve na cidade em 2015 antes de conquistar a Copa do Brasil. Por outro lado, as passagens por Atibaia também tiveram alguns resultados ruins.

Em 2014, o técnico argentino Ricardo Gareca fez intertemporada no hotel e foi demitido após 13 jogos no cargo. Anos antes, em 2009, Muricy Ramalho não salvou o time da queda de rendimento que custou a perda da liderança no Brasileirão.