Candidatos à prefeitura de Curitiba foram convocados nesta quinta-feira (29) para um novo debate informal na cidade. É a segunda edição do evento que, segundo organizadores, tem como objetivo o debate de propostas para a cidade. Os envolvidos cobram a presença do atual prefeito e candidato à reeleição Rafael Greca (DEM), que já afirmou estar sendo vítima de ataques. Greca não esteve no primeiro debate, realizado no começo do mês. 

Desta vez o debate ocorreu na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente à prefeitura de Curitiba. Participaram os candidatos João Arruda (MDB)Camila Lanes (PCdoB)Fernando Francischini (PSL)Paulo Opuszka (PT)Professor Mocellin (PV)Professora Samara (PSTU), Eloy Casagrande (Rede) e Goura (PDT).

Quem começou foi o candidato Fernando Francischini (PSL), que mandou um recado aos servidores da prefeitura de Curitiba. Ele aproveitou para falar brevemente sobre seu plano de governo para a área de segurança. Veja mais sobre o plano de governo de Francischini.

VIU ESSA? – Yared e Francischini lideram receitas pra campanha em Curitiba. Veja quem mais gastou!

O segundo foi Paulo Opuszka (PT), que falou a respeito do serviço publico. “Precisamos discutir Curitiba onde ela acontece. Estamos marcando novos encontros para novos debates e uma nova discussão com a comunidade. Precisamos rediscutir os caminhos da cidade e assumir compromissos específicos”, disse o candidato. Veja mais sobre o plano de governo de Paulo Opuzska (PT).

Candidato pelo Rede, Eloy Casagrande falou sobre a ausência de Greca. “Onde está o projeto de recuperação para a recuperação do Centro de Curitiba? Não tem recuperação econômica. Vamos levar isso para o Centro da cidade, com IPTU progressivo, limpeza de rios. Curitiba não é uma cidade ecológica. Tenho o compromisso de limpar os rios”, disse o candidato. Veja o plano de governo de Eloy Casagrande (Rede).

Depois, subiu ao palco a candidata Professora Samara, do PSTU. “Seria de bom tom que os outros candidatos garantissem que todos os candidatos falem e apresentem duas propostas. Isso afeta diretamente a vida da população”, disse. Acompanhe o plano de governo de Professora Samara (PSTU).

Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

Professor Mocellin (PV) faltou sobre a história da Praça Nossa Senhora de Salete e a importância da democracia, o respeito a todos. “Temos que estar lado a lado, para conversar, escutar. A democracia não é imposição, é persuasão. Na campanha nos deparamos com várias ‘Curitibas’, sem calçadas, estrutura, esgoto”, disse o candidato. Veja o plano completo de governo de Professor Mocellin.

O candidato Goura (PDT) lembrou o dia do servidor público, comemorado nesta quarta-feira (28). “Não teremos um serviço publico de educação, saúde, urbanismo se os servidores não se sentirem respeitados. Curitiba precisa ter um diálogo com servidores e o conjunto da população”, disse. Veja o plano completo de governo do candidato Goura.

LEIA MAIS – Auxílio municipal, corte de impostos! Até onde promessas de candidatos a prefeito podem chegar?

Depois, foi a vez da candidata Camila Lanes, do PCdoB, que relembrou a agressão aos servidores na mesma praça, no dia 29 de abril de 2015. “Eu estive aqui e apanhei também. Precisamos falar sobre a militarização das escolas, temos que desmilitarizar a polícia. Temos que garantir uma educação pública de qualidade e democrática”, disse. Conheça o plano de governo de Camila Lanes (PCdoB).

Por último falou o candidato João Arruda, do (MDB). Ele destacou também a democracia e criticou a ausência de Rafael Greca. “Quero trazer argumentos e dizer nossas propostas para a cidade. Por que tantos investimentos em asfalto? É importante, mas defendemos que tenhamos uma estrutura aos moradores de rua. Não entendo o senhor, Greca, um modelo primitivo de coleta, sem compostagem”, questionou o candidato. Veja o plano de governo completo do candidato João Arruda (MDB).

Greca se defende

“A legitimidade de todo debate pressupõe o conhecimento de causa. Ficou claro que meus adversários não o tem, pois a estratégia dos mesmos é de fazer ataques orquestrados à minha gestão e à minha pessoa. Preferia que eles tivessem apresentado suas propostas para a cidade. Para mim o desaforo é a ausência do argumento”, disse Greca, em nota enviada à Tribuna no primeiro debate. Confira o plano completo de governo de Rafael Greca.