Holofotes, fã-clube, dinheiro e muito “glamour”. A fama pode trazer muitas regalias ao artista, porém o preço a ser pago é muito alto. Não é novidade de conhecermos famosos diagnosticados com depressão, transtorno de personalidade, ansiedade culminando a alguns o trágico fim por suicídio.

Vox Lux – O Preço da Fama”, novo filme estrelado por Natlie Portman, a eterna “Cisne Negro” (2010), traz justamente essas questões. Calma, fique tranquilo (a), não foi dado nenhum spoiler no parágrafo a cima. Ninguém morre no final.

LEIA TAMBÉM: Nós traz críticas sociais e inova o gênero terror

Celeste (Natlie Portman) é uma estrela do pop que vem fazendo sucesso de forma assustadora. Em estilo cinebiografia, o filme mostra, da juventude aos dias atuais, a ascensão de uma inocente jovem menina que, de uma tragédia nacional, alcançou um lugar ao sol. Confira o trailer:

O segundo filme dirigido pelo queridinho de Lars Von Trier, Brady Corbet, “Vox Lux – O Preço da Fama” impressiona nos primeiros minutos do longa com cenas ótimas em um excelente suspense que traz progresso ao decorrer da primeira parte da trama, mas que infelizmente morre na segunda parte. Corbet traz o clássico shakespeariano “Macbeth” pra atualidade com influência das produções do diretor de “Melancolia” (2011) e pitadas agressivas, no bom sentido, do cineasta alemão, “Michael Haneke” (Violência Gratuita, 1997).

CONFIRA TAMBÉM: Como seria uma eleição comandada por negros, feministas e LGBTs?

Depois de mostrar seu lado cantora em “De Amor e Trevas” (2015), Natalie Portman solta a voz novamente no novo filme de Brady, inclusive a trilha sonora está disponível nas plataformas digitais, como Spotify. O pop açucarado feito originalmente para o longa consegue retratar piamente as músicas de rádio tocadas atualmente: sem criatividade, repetitiva e maçante.  Não só a própria atuação, a interprete de Celeste entrega um trabalho sem muito elogio na parte musical.

Cena do filme “Vox Lux – O Preço da Fama”. Foto: Divulgação/Paris Filmes

A narração misteriosa de Willem Dafoe (Aquaman) é inquietante, vibrante , mas como dito anteriormente, a segunda parte do filme perde ritmo, a fase madura da protagonista é um drama melodramático. Os companheiros de cena Jude Law (O Jovem Papa), Stancy Martin (Ninfomaníaca) são apagados por problemas de direção.

Porém, o final pode impressionar para muitos, inclusive foi o que me fez querer assistir novamente.

Vox Lux – O Preço da Fama” estreia nesta quinta-feira, 28, nos cinemas de Curitiba

Avaliação:⭐⭐⭐
Pra quem gosta: musical/suspense
Pra assistir: sozinho e com amigos
Filmes/Séries semelhantes:  Cam, O Sacrifício do Cervo Sagrado e Veludo Azul