Ficar conhecido como assassino, convenhamos, não é nada bom. Mas, para o brasiliense Vicente Luque, 27 anos, tem caído muito bem. É claro que é no sentido fictício, afinal, no MMA tem cada apelido “carinhoso” que os atletas recebem. “Assassino Silencioso” é a alcunha que o brazuca recebeu ao ter participado do reality show The Ultimate Fighter e conseguir aniquilar seus adversários seja por nocaute ou finalização.

“O meu apelido surgiu no programa. O meu empresário na época me chamou assim, pois eu sempre fui mais na minha e nas lutas eu tinha bons resultados. Por ser um cara que não falava muito, ele falou ‘é um assassino silencioso’, e ficou”, disse Luque, em entrevista exclusiva à Tribuna. Embalado por três vitórias consecutivas em suas últimas participações no UFC, o brasiliense tem vivido um momento espetacular dentro da organização.

+ Leia mais: Ex-campeão do UFC pede luta na Arena da Baixada

“Venho em franca evolução. Antes dessas três vitórias, eu tive uma derrota, mas também tinha engatado quatro triunfos seguidos. E todas essas vitórias foram por nocaute ou finalização. Venho mostrando que sou um lutador completo”, ressaltou o meio-médio. Neste sábado, a partir das 19h30 (horário de Brasília), Luque faz a sua primeira aparição no ano. E o brasileiro vive a expectativa de entrar de vez na lista dos “tops” de sua categoria.

“Eu venho mostrando a minha qualidade e mais uma vitória me coloca dentro ou próximo do ranking. Eu também quero lutar contra um cara ranqueado. O objetivo sempre é cada vez mais estar em alta. É uma grande honra fazer parte do card principal, quero fazer uma luta da noite um dia. É continuar ganhando o meu espaço, entrar no ranking da categoria e subir mais dentro do UFC”, frisou.

+ Confira também: Que tal a luta entre Anderson Silva e Conor McGregor no UFC Curitiba?

No fim de semana, Luque enfrenta o americano Bryan Barbarena, que tem alternado altos e baixos até o momento no Ultimate. O “Bam Bam”, como é conhecido, tem como principal característica o poder de nocaute. “O Brian é um cara diferente. Ele é canhoto e não tem um jogo de trocação convencional. Ele vem pra cima, tem agressividade e, ao mesmo tempo, é um estilo que casa bem com o meu. Vejo que no chão eu tenho uma ligeira vantagem. É outro lugar que eu posso explorar”, concluiu o Assassino Silencioso. Ao lado do brasiliense, outros dois representantes do País estarão em ação no UFC Phoenix deste sábado, o ex-campeão peso-galo Renan Barão e o estreante Kron Gracie.

Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Instagram Compartilhe no Twitter Compartilhe a Tribuna