O Paraná caminha para assumir a quarta posição no ranking dos estados brasileiros, e se torna cada vez mais relevante para o crescimento do Brasil. A dinâmica da economia paranaense ganhou mais vitalidade neste ano, no campo e na cidade. A produção de alimentos cresceu quase 9% e a nossa indústria tem o melhor desempenho do País. O mercado de trabalho reage, com a abertura de 66 mil empregos.

Este bom ambiente provoca outro reflexo positivo. O Estado registra a atração de R$ 23 bilhões em novos investimentos produtivos privados, numa demonstração de confiança no potencial paranaense. Com o programa Descomplica, o governo quer agilizar e ampliar a abertura de empresas de todos os portes.

Gerar oportunidades de trabalho e renda é uma prioridade do governador Carlos Massa Ratinho Junior, assim como o enxugamento da máquina pública e o fim de privilégios. Eram 28 secretarias até o ano passado. Hoje são 15. Empresas e autarquias estão sendo fundidas para ganhar mais agilidade e reduzir custos.

O corte de despesas também passa por atos como a devolução do jato que servia à governadoria, o congelamento de salários do primeiro escalão, o fim da aposentadoria para governadores e a renegociação de contratos para gerar economia aos cofres públicos.

Com austeridade, o atual governo manteve as contas equilibradas. O Paraná foi o único estado brasileiro em condições de antecipar as folhas de dezembro. O décimo terceiro foi pago no dia 4 e o salário quitado no dia 23.

O tripé da gestão é formado por gestão eficiente, projetos estruturantes e um olhar social. No campo administrativo, há normas mais rígidas de trabalho, inclusive com a implantação do programa de Compliance e Integridade, para evitar atos ilegais e irregulares, e muitas inovações para facilitar a vida do cidadão. É o caso do PIÁ, plataforma de inteligência artificial que reúne mais de 300 serviços na internet.

As ações estruturantes compreendem medidas como o Banco de Projetos Executivos, um legado que permitirá ao Estado planejar e executar obras importantes na próxima década. Outro exemplo é o Paraná Trifásico, iniciativa para levar energia de qualidade para os moradores e empreendedores da área rural. A ideia é trocar 25 mil quilômetros de redes, com investimento de R$ 2,1 bilhões.

Neste ano, o nosso Estado também ganhou uma nova malha aérea com o programa Voe Paraná, que faz a ligação de 12 cidades médias, de todas as regiões paranaenses, com a Capital. A ideia é oferecer condições para que mais empresas escolham o interior para se instalar.

Isso também passa pela modernização de rodovias. Para isso, o governo investe R$ 2 bilhões na atual malha estadual, além de negociar com a União uma nova licitação para o Anel de Integração. A proposta é colocar mais 1,6 mil quilômetros no pacote, reduzindo tarifas e exigindo mais obras. Ou seja, haverá uma concorrência para administrar 4,1 mil quilômetros de concessões.

Uma das maiores conquistas do ano foi a autonomia que o Estado ganhou para a gestão das áreas do porto. Com isso, será possível preparar Paranaguá para uma grande expansão de movimentação de cargas, um dos efeitos esperados com a construção de uma nova ferrovia de 1.000 quilômetros entre o Litoral e Maracaju (MS), já em estudo.

Na área social, há ações importantes de segurança, saúde, educação e assistência aos mais necessitados. A taxa de homicídios caiu 17% e houve redução de roubos e furtos com mais policiamento nas ruas . Em parceria com o ministro Sérgio Moro são diversas ações no Estado, principalmente para combate ao crime organizado e ao tráfico, com maior controle na região de fronteira.

Na saúde, o Estado está oferecendo condições para que as pessoas tenham atendimento de qualidade mais perto de onde moram. É um processo de descentralização dos serviços para evitar que o cidadão tenha que percorrer grandes distâncias para fazer um tratamento. Os recursos para os consórcios municipais dobraram, hospitais de referência receberam apoio para zerar as filas de cirurgias e as obras dos novos hospitais regionais estão em dia.

Na Educação, uma das maiores conquistas foi o Escola Segura, com policiais da reserva cuidando do ambiente escolar em cada turno. Contratos parados há muitos anos foram retomados e 207 obras de reformas e modernização já foram realizadas. A inovação também chegou na gestão pedagógica com o Prova Paraná, o Presente na Escola, novos colégios militares e intercâmbios de alunos a partir do ano que vem.

Quem mais precisa do Estado, que são as famílias em situação de vulnerabilidade, também não foi esquecido. Hoje, há programa habitacionais para idosos de baixa renda, que poderão viver em condomínios especialmente criados para eles. Também foi iniciado o programa de desfavelamento, que vai beneficiar 2.500 famílias por ano.

Programas sociais como a tarifa rural noturna foram reforçados e os subsídios para tarifas de ônibus foram ampliados, assim como o programa de instalação de caixas d’água para atender famílias de baixa renda. Além disso, são diversas medidas de proteção à infância, que também ganhou o projeto Cinema na Praça.

Este relato demonstra a preocupação do Governo do Estado em transformar o Paraná numa terra ainda mais generosa com a sua gente. Escolhemos o caminho certo.

Por Valdir de Córdova Bicudo, assessor do vice-governador do Paraná, Darci Piana