Foto: Átila Alberti/O Estado

O Orkut é uma das ferramentas usadas para essa socialização.

O velho clichê de que em horas de crise é possível descobrir quem são seus verdadeiros amigos parece ser tão verdadeiro na internet como fora dela. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa do Instituto Pew Internet, com sede nos Estados Unidos, que tinha o objetivo de descobrir se a rede e a troca de e-mails fortaleciam relações sociais. E segundo o estudo, a resposta parece ser positiva, especialmente em tempos de crise, quando as pessoas precisam mobilizar suas redes sociais.

No passado, pessimistas de plantão acreditavam que a internet faria com que as pessoas se relacionassem menos, mas o relatório, chamado A força das ligações na internet, concluiu que os e-mails suplementam, e não substituem as comunicações por outras vias. ?O quanto maior, mais distante e mais diversa a rede de uma pessoa, mais importante é o e-mail?, afirma Jeffrey Boase, um dos autores do relatório. ?Você não pode telefonar pessoalmente ou visitar todos os seus amigos com freqüência, mas você pode inclui-los regularmente em seus e-mails. A conclusão é de que isso é muito importante?, acrescenta.

Alessandro Vieira, projetista de jogos formado em psicologia, explica que ao contrário de acabar com o bate-papo real, a internet apenas criou novas formas de sociabilidade. ?Não há uma dicotomia entre o real e o virtual. São momentos distintos de um mesmo processo, já que as relações virtuais que dão certo são aquelas que têm chances de acontecer na vida real?, comenta.

O estudo mostrou que a rede mundial de computadores é levada em conta nas decisões tomadas por 60 milhões de americanos. Seja para pedir conselhos em relação à carreira, procurar informações e ajuda sobre doenças, ou até para comprar uma casa, 45% dos americanos recorrem à internet, afirma o estudo. ?Quando você precisa de ajuda nos dias de hoje, não é preciso convocar a cavalaria, o que você precisa é de uma grande lista de amigos?, diz John Horrigan, diretor associado de pesquisas do Projeto Pew Internet.

No Brasil, além da trocas de e-mails, muita gente usa o máximo de recursos para compartilhar seus momentos da vida pessoal com amigos. É o que constata Nagib Mimassi, sócio-diretor do provedor Orolix. ?Os brasileiros têm mania de popularidade. Acredito que esse seja o motivo pelo grande sucesso das páginas pessoais como blogs e fotologs aqui no País?, observa.

Depois que começou a utilizar a internet e instalou um computador em casa, Luciana Uesler explica que intensificou o contato com os amigos fora do mundo virtual. ?Navego somente à noite e nos finais de semana, mas é ótimo, pois assim converso mais com os meus amigos. Depois disso, passei a sair mais com eles. Quando usava só o telefone era raro falar com todos?, comenta.

Usuários como ela engrossam a lista dos 12,2 milhões de usuários ativos de internet residencial brasileiros, contabilizados em 2005 pelo Ibope/NetRating. Esse total equivale a um crescimento de 12,4% sobre dezembro de 2004. De acordo com o acompanhamento, cada um desses usuários navegou por 17h59 em dezembro – 34% mais do que no final de 2004. E a tendência é que esses números continuem a crescer.