Dinheiro é uma das maiores causas de atritos no casamento? Na verdade, não: o que causa os problemas não é nem o dinheiro nem a falta dele, mas a falta de comunicação sobre as finanças do casal.

+ Leia mais: Alimentação balanceada e exercícios podem aumentar a imunidade e evitar doenças?

Não é fácil evitar discussões sobre dinheiro. Mas aprender a se comunicar com amor, confiança e respeito pode salvar seu lar e seu relacionamento – e também suas finanças. Confira estas dicas para que as finanças do casal sejam um ponto de acordo e não de discussões:

1. Na mesma página

Desenvolvam juntos um “projeto”, uma “perspectiva” para as finanças da família. Afinal, se vocês concordarem sobre o destino, há mais chances de concordarem sobre o caminho. Respondam a questões como: qual é o nosso principal objetivo financeiro? O que estamos dispostos a fazer para alcançá-lo?

2. Os detalhes fazem a diferença

Pouca gente briga por causa da conta de luz. Os problemas são aqueles 40 reais na manicure ou os 35 gastos em um lanchinho desnecessário. Na hora de planejar o orçamento doméstico, não se esqueçam dos detalhes.

3. Decidam juntos

Boa parte das brigas surgem do ocultamento de informações e da falta de comunicação. Sentem e revisem o orçamento regularmente, para que ambos estejam cientes de tudo.

+ Leia ainda: É amor? Confira sinais que podem indicar se a relação é baseada apenas em carência

4. Erros acontecem – assuma-os

Quando você cometer um deslize, não hesite em pedir desculpas. Dê o exemplo. Além disso, a única pessoa que você consegue mudar é você mesmo. Evite se justificar quando você sabe que fez algo inapropriado.

5. Nada de apontar o dedo

Se você colocar seu cônjuge na defensiva, já sabotou o processo. Cooperação e um ambiente de cordialidade e confiança são fundamentais. O objetivo é encontrar a solução e não pôr a culpa.

6. Segredos são proibidos

Esta deveria ser uma regra: se você não quer contar ao seu cônjuge sobre alguma despesa, então se trata de algo que você não precisa comprar. O processo deve ser aberto e honesto.

7. Pensem nos outros

Decidam fazer mais doações a instituições e pessoas que precisam. Pensar nos outros ajuda a enxergar melhor como estamos gastando. “Vamos doar mais este ano” é um convite aberto ao corte de custos desnecessários. Isso vai reverter em finanças mais saudáveis.

8. Tracem um limite

Façam uma regra do tipo: “Qualquer compra acima de X reais precisa da anuência de ambos”. E, claro, cumpram a regra, sem medo ou vergonha de pedir o assentimento do parceiro. Mesmo se o outro discordar, vocês saem ganhando: demonstraram respeito um com o outro e compromisso com o orçamento estabelecido por ambos.”