Mesmo depois da Operação Campo Fértil, deflagrada em 2006, a quadrilha que fraudava benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Campo Mourão continuou agindo.

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal mantiveram o monitoramento dos suspeitos e realizaram escutas telefônicas autorizadas pela Justiça Federal, que culminaram na denúncia de 18 pessoas na última quarta-feira. Elas podem responder por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção e falsidade documental.

“Eles descobriram como a polícia chegou até os comparsas, e passaram a agir de uma maneira mais sofisticada. Vários servidores continuaram comprometidos com a quadrilha, inserindo dados falsos no sistema no INSS, mesmo com a prisão de alguns colegas em 2006”, explica o procurador da república em Campo Mourão, Robson Martins.

A quadrilha conseguiu, ao longo dos anos, obter de forma irregular vários benefícios e justificações administrativas que geravam o depósito de altas quantias referentes a valores retroativos em até cinco anos.