Um roubo semelhante orienta as investigações da delegacia de Colombo a respeito da morte do taxista Jahir Pires do Nascimento, 61 anos, ocorrida na madrugada de 27 de agosto. A polícia suspeita que os autores do assassinato sejam os mesmos que assaltaram outro profissional do volante, duas semanas antes.

“O modo de ação nas duas situações foi o mesmo”, disse o delegado de Colombo, Erineu Portes. A polícia tem apenas os apelidos dos dois suspeitos de roubar o primeiro taxista. “Está difícil descobrir a origem deles. Podem ser de Colombo ou de Tamandaré. Ambos têm envolvimento com furto de veículos”, afirmou o delegado.

Na semana passada, outro suspeito da morte de Jahir foi localizado e levada à DP de Colombo, mas apresentou álibi que convenceu a polícia e já está solto. Em frente ao ponto da Avenida João Gualberto, Juvevê, onde o motorista foi visto pela última vez, há um bingo que já foi vasculhado pela polícia. “Não achamos nenhum indício do assassino no estabelecimento”, disse Portes.

O corpo de Jahir foi encontrado com um tiro nas costas numa estrada vicinal do bairro Roça Grande, em Colombo, na manhã de 27 de agosto. Nenhuma testemunha informou quem solicitou a última corrida ao taxista. Ele foi visto pela última vez às 3h daquele dia.

O Fiat Uno que a vítima dirigia, foi encontrado no bairro Santa Teresa, a quatro quilômetros do local do crime. Faltava apenas o aparelho de CD e o telefone celular. Jahir não carregava dinheiro, relógio ou outros bens. Pela marcação do velocímetro, descobriu-se que o taxista não fez nenhuma corrida desde as 19h de segunda-feira, quando começou a jornada de trabalho. A polícia não descarta outras hipóteses diferentes do latrocínio.