Brasília – A União Européia encerrou sua missão técnica ao Brasil que avaliou, durante 14 dias, as condições de saúde e de rastreabilidade da carne bovina em seis estados. A Secretaria de Defesa Animal (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu os técnicos da UE ontem à tarde para a apresentação das conclusões preliminares da inspeção.

O resultado da reunião foi um relatório extremamente detalhado. ?Durante quatro horas, os técnicos apresentaram todo tipo de observação, até mesmo sobre a pintura de câmaras frigoríficas?, comenta o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Mapa, Jamil Gomes de Souza.

A UE produzirá um relatório final sobre as inspeções que será encaminhado ao Mapa em 20 dias. ?Seguramente esse documento trará recomendações de mudanças nos serviços brasileiros, como em todos os relatórios anteriores, mas nenhuma falha relatada na reunião é grave o suficiente para alterar o status das exportações à UE?, disse Souza.

A União Européia é o principal mercado para a carne brasileira. Em 2006, o País exportou 224 milhões de toneladas de carne bovina in natura, totalizando US$ 1 bilhão, aos  países do bloco europeu.

A missão da UE, composta por seis técnicos do Escritório Alimentício e Veterinário (FVO) e chefiada pela veterinária Frankie de Dobbelaire, chegou ao Brasil no dia 14 de março e visitou estabelecimentos da cadeia produtiva de carne nos Estados de Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás.

?Trata-se de uma missão diferente das anteriores, porque teve como foco principal a rastreabilidade da carne, o que exigiu inspeções em toda a cadeia produtiva?, explica Souza. Em decorrência disso, o roteiro de inspeções foi variável: ?Ao visitar os abatedouros, os técnicos selecionavam certificados e acompanhavam todo o trajeto do produto até chegar à propriedade rural de origem, passando por unidades veterinárias e postos de controle?.