O falso médico Jodilson Veloso Marcelino Filho, 29 anos e o falso personal trainer Edilson Azevedo da Silva, conhecido como “Lavoura Silva”, 36, foram presos pela Polícia Civil em Curitiba terça-feira (25). A suspeita é de que a dupla prescrevia e vendia esteroides anabolizantes dentro de um esquema de consultoria fitness que também incluía consultas médicas e nutricionais, além de aulas com um professor sem formação em Educação Física.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Suspeito de exercer ilegalmente a profissão de médico, Jodilson na verdade é um estudante do nono período de Medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Ele teve prisão preventiva decretada pela Justiça. Já Edilson, o falso personal trainer, não tinha formação em Educação Física e teve decretado mandado de prisão temporária de 30 dias.

+ Leia também: Jovem é apreendido por planejar massacre em escola da Grande Curitiba

Material da clínica dos falsos profissionais. Foto: Divulgação/ Polícia Civil PR
Material da clínica dos falsos profissionais. Foto: Divulgação/ Polícia Civil PR

Como a dupla agia

De acordo com a investigação da Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), o estudante de medicina se apresentava como especialista nas áreas de nutrologia e endocrinologia.

Ainda segundo a polícia, o falso médico não só prescrevia esteroides anabolizantes como adulterava medicamentos. Para isso, ele chegava a falsificar a assinatura e a usar sem permissão o carimbo de um médico de fato. E era falso professor de educação física quem fornecia os anabolizantes injetáveis aos pacientes.

+ Leia mais: Jogo de sinuca em bar termina em briga e morte em plena noite de segunda-feira

A dupla agia em uma clínica no Centro de Curitiba. No local, a polícia encontrou comprimidos e ampolas de anabolizantes vendidos ilegalmente. Também foram apreendidos materiais gráficos de propaganda da clínica. A Polícia Civil vai intimar mais pessoas para prestarem depoimentos sobre o caso.

Os presos foram encaminhados ao Centro de Triagem, onde permanecem detidos, à disposição da Justiça. Caso condenado, Marcelino pode pegar de 17 a 33 anos de prisão. “Lavoura Silva”, de 8 a 18 anos de prisão.

 

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Assalto a loja de departamento termina mal para bandidos, com confronto e prisões