Sete mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pela Polícia Federal (cinco em Curitiba e dois em Piraquara) com o objetivo de desarticular uma quadrilha que atuava no tráfico internacional de drogas e associação ao tráfico. O ‘modus operandi’ da quadrilha acontecia no centro internacional de encomendas dos Correios em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

Em um vídeo divulgado pela Polícia Federal dois funcionários aparecem manipulando um pacote que parece ser uma encomenda, que foi retirada de um local onde estavam mais pacotes. Eles abrem e parecem compartilhar o conteúdo do envelope. Depois, o vídeo mostra o pacote sendo devolvido a uma caixa separadora. Na saída, o funcionário passa por um detector, mas deixa um material para fora.

Segundo a Polícia Federal, a Operação Holanda coleta de evidências que possam estar relacionadas aos investigados, entre eles dois ex-funcionários de carreira dos Correios e três ex-funcionários terceirizados. Os mandados foram expedidos pela 9ª Vara Federal de Curitiba.

+Leia mais! Maníaco do ácido é preso em Curitiba após atacar cinco pessoas!

A presente fase é um desdobramento da Operação Hexa, deflagrada em 28/02/19. Após a análise de material apreendido naquela ocasião, identificou-se que a organização criminosa tinha efetivo foco no desvio, apropriação e venda de drogas sintéticas oriundas de diversas cidades da Holanda ao Brasil no momento da triagem junto ao centro internacional dos Correios em Pinhais/PR, por onde passam todas as encomendas postais internacionais com até 2kg (petit paquet) que chegam ao Brasil.

A suspeita é de que a apropriação ilícita dos entorpecentes ocorria na própria estação de trabalho dos investigados, que identificavam a origem e características dos objetos postais. Se contivessem droga sintética, os pacotes eram interceptados e subtraídos para posterior venda.

+Caçadores! Cafeteria abre as portas em Curitiba com promoção especial no Cafezinho!

Na primeira fase da operação, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária que foram convertidas em prisão preventiva, pela prática de peculato e associação criminosa.

Preso fingia ser policial pra aplicar golpes. Até a ‘namorada’ era vítima!