Foi preso, nesta quarta-feira (6), Marcelo Lima Ferreira, o “Marcelo Pirulito”, 38 anos, funcionário da Controladoria da Prefeitura de Matinhos, município do Litoral do Paraná. O servidor, que foi candidato a deputado estadual na última eleição, é suspeito de envolvimento em um esquema de venda de imóveis com documentos falsos. Além dele, também foi preso Amilton Antunes de Oliveira, 53 anos, e há mandados de prisão preventiva contra dois integrantes da quadrilha, que ainda pode ser capturados ao longo do dia.

Segundo informações da Polícia Civil, as prisões são resultado de uma operação de combate à “falsa venda” de imóveis no Litoral do Estado, visando a desarticulação da associação criminosa envolvida. De acordo com os policiais, os suspeitos utilizavam documentos falsos dos reais proprietários de terrenos, para ludibriar as vítimas que acabavam por comprar os imóveis. Além da prisão preventiva, Oliveira será autuado em flagrante por falsificação de documento público, pois em sua residência, em Curitiba, foram localizados vários documentos falsos.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Como funcionava o esquema

No dia 5 de novembro de 2018, a quadrilha vendeu um imóvel localizado em Guaratuba para duas vítimas, pelo valor de R$ 160 mil. Com o uso de documentos falsos, os suspeitos conseguiram ludibriar, também, os funcionários do Cartório de Matinhos, que lavraram escritura pública de compra e venda do imóvel.

Após a descoberta do golpe, no dia 2 de janeiro deste ano, as vítimas registraram um Boletim de Ocorrência na PCPR, que iniciou instaurou inquérito policial para apurar o fato.

Mesmo já estando cientes das investigações, no dia 12 de fevereiro, os suspeitos “venderam” novamente o mesmo terreno a outra vítima, desta vez pelo valor de R$ 265 mil. Conseguiram com que fosse lavrada outra escritura pública de compra e venda, desta vez no Cartório de Quitandinha.

A associação criminosa ainda é investigada sobre a autoria de outros crimes de estelionato, lavagem de dinheiro, receptação e furto de energia.

+Leia também: Policial é baleado após ser assaltado por oito pessoas na BR-277

Mandados de prisão

De acordo com a Polícia Civil, os suspeitos com mandados de prisão preventiva são:

– Amilton Antunes de Oliveira, 53, líder da associação criminosa. Preso. Responsável pelas principais decisões, determinando quais os delitos a serem praticados, o “modus operandi”, a escolha das vítimas, as atribuições dos demais integrantes e a operação de lavagem do dinheiro obtido.

– Marcelo Lima Ferreira, 38, auxiliar direto de Oliveira. Preso. Por ter acesso à Administração Municipal, é o responsável por fornecer informações privilegiadas ao líder da associação criminosa, o que facilitava a escolha das vítimas. Em virtude do seu cargo público, fornecia credibilidade às ações do grupo.

– Juscelino Paiva Queiroz, 51, e Cleiton Fabiano Bueno, 34, ainda foragidos. Responsáveis realizar delitos menores como falsificação de documento, uso de documento falso, falsa identidade, estelionatos e receptações. Seguiam as determinações do líder.

Escrachado nas redes sociais, auxílio-reclusão é a maneira dos dependentes de presidiários sobreviverem