enkontra.com
Fechar busca

Segurança

Rebouças

Antiga fábrica de cerveja vai virar a ‘Cidade da Polícia’ em Curitiba

  • Por Aléxia Saraiva - Gazeta do Povo
Prédio deve abrigar nova Cidade da Polícia. Gestão anterior previa Centro de Artes e Cultura Rebouças. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

A antiga fábrica da Ambev, área histórica de 35 mil m² na região do Rebouças, em Curitiba, deixará de receber o Centro de Artes e Cultura Rebouças para se tornar a Cidade da Polícia — novo centro administrativo de planejamento e inteligência do estado, polícias militar e civil, guardas municipais, polícias Federal e Rodoviária Federal e Exército. A criação do espaço — não necessariamente nesta área da cidade — foi uma das promessas de campanha do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD). O projeto de reforma do imóvel está em desenvolvimento pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária. A reportagem confirmou o novo uso do prédio junto da assessoria do governo do estado e da Polícia Militar.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O novo uso do local dá lugar ao projeto do Centro de Artes e Cultura Rebouças, que estava em desenvolvimento desde agosto de 2016. Ele receberia instalações da Faculdade de Artes do Paraná (FAAP) quanto da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). A ideia do projeto previa movimentar a região com mais pessoas e deixar um legado cultural para Curitiba, com auditórios, laboratórios, salas de aula e de exposições.

Foto: Felipe Rosa

Unidade da empresa está desativada desde 2016. Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Segundo Paulino Viapiana, ex-assessor especial do governo do Estado, o projeto do centro estava encaminhado: o termo de referência das necessidades de uso do prédio já estava concluído e o modelo de edital para o concurso público estava em estágio avançado de desenvolvimento. “Em dezembro do ano passado, a [ex-governadora] Cida Borghetti concluiu a transferência da escritura do terreno para o governo do Estado. Tudo restava pronto”, afirma.

+ Leia mais: Derrubada de centenas de araucárias chama a atenção na região de Curitiba

“Lamento que a cultura e a educação novamente tenham sido preteridas. Nós vamos deixar de promover uma boa ideia para a formação das futuras gerações e para a preservação de uma região importante da cidade. E as escolas de arte vão continuar perdidas por aí, sem condições, em prédios alugados”.

Para Iaskara Florenzano, coordenadora de pesquisa do grupo Arquivo/Arquivo Industrial da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), a preservação do prédio da fábrica — e sua consequente não demolição — já é um ponto positivo. “A preservação é a melhor notícia que podemos ter para o Rebouças“, afirma a pesquisadora, que se debruça a estudar e registrar os prédios industriais do bairro.

Terreno de 35 mil m² ocupa o quarteirão entre as avenidas Getúlio Vargas e Iguaçu, e ruas João Negrão e Rockfeller. Foto: Agência Curitiba/Divulgação

Terreno de 35 mil m² ocupa o quarteirão entre as avenidas Getúlio Vargas e Iguaçu, e ruas João Negrão e Rockfeller. Foto: Agência Curitiba/Divulgação

“Esse prédio é portador de uma série de valores culturais e históricos e faz parte desse conjunto de edifícios que explicam a nossa cidade, que se estabelecem no começo do século 20. Acho magnífico que ele ganhe um uso novo, se o projeto observar esse caráter histórico usando a metodologia do restauro”, explica.

+ Leia ainda: Água consumida pelos paranaenses está contaminada com agrotóxicos

No entanto, Florenzano aponta que seu novo uso não é o mais adequado se a intenção é dar um novo sentido ao prédio e requalificar a região do Rebouças. “Um edifício da polícia não me parece um uso tão adequado desse objetivo. Se eu quero revitalizar um lugar, ele deveria receber bastante gente e não apenas funcionários“, estima. “A ideia do uso com arte era perfeita, porque a região tem uma vocação para a educação e a Embap tem uma necessidade real de um espaço físico. Uma movimentação naquele lugar daria um sentido completamente novo naquela região —seria um sonho”.

Para ela, a esperança é a de que o prédio seja tratado como patrimônio histórico, e que a reforma valorize a memória e a identidade do edifício e da sua importância para a paisagem da cidade.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Após mais de cinco anos, obras da Copa seguem inacabadas na Grande Curitiba

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

27 Comentários em "Antiga fábrica de cerveja vai virar a ‘Cidade da Polícia’ em Curitiba"


wyldner Junior
wyldner Junior
2 meses 12 dias atrás

Ta certo bem mais importante

Carlos Muniz
Carlos Muniz
2 meses 12 dias atrás

Parabéns ao Governador por essa iniciativa, vai ficar mais eficiente os órgãos Policiais, sem contar que terá mais segurança aquela região.

Lutador Antifascista
Lutador Antifascista
2 meses 12 dias atrás

Sim, com bandidos sendo amontoados em cadeias superlotadsa, isto quando na fogem ou outros bandidos não tentam ajudar na fuga e os tiros pipocam em todas as direções, para quem mora na região vão ser dias de UPP no Rio… kkkkkkkkkkk… Preparem-se para a desvalorização dos imóveis na região!!!

Rafael Pilha
Rafael Pilha
2 meses 12 dias atrás

Se transformasse em centro cultural , ficaria repleto de estudantes drogadinhos da federal na redondeza, só atraindo mais tráfico, o melhor uso é o policial, espantará de vez a bandidagem daquela região.

Lutador Antifascista
Lutador Antifascista
2 meses 12 dias atrás

Cara você é outro imbe-cil de mer-da, outro nazistinha de bos-ta mesmo! Vamos lá RETARDADO DE MER-DA, você já estudou numa instituição federal (técnica ou de graduação)? Pelo jeito não, tem jeito de americano caipira! Você sabe a dificuldade para se formar nas Federais? NÃO, LIXO NÃO ESTUDA! kkkkkkk

jurandir Roedel
jurandir Roedel
2 meses 12 dias atrás

Ótimo para a segurança.

Lutador Antifascista
Lutador Antifascista
2 meses 12 dias atrás

Sim, com bandidos sendo amontoados em cadeias superlotadsa, isto quando na fogem ou outros bandidos não tentam ajudar na fuga e os tiros pipocam em todas as direções, para quem mora na região vão ser dias de UPP no Rio… kkkkkkkkkkk… Preparem-se para a desvalorização dos imóveis na região!!!

Flavio Steiner
Flavio Steiner
2 meses 12 dias atrás

Ceda o lugar para “cultura”. E teremos “rebeldes” inconformados com a vidinha que levam. Rapazinhos e mocinhas com trinta anos ou mais, morando com os pais ainda, de mal com o mundo. Meninada com quinze ou dezoito anos, traumatizados com a ditadura. Bo/bin/hos doutrinados. Inocentes inúteis

Lutador Antifascista
Lutador Antifascista
2 meses 12 dias atrás

É, tem ainda alguns IDIOTAS DE SABRENOME ALEMÃO no Brasil que se acham nazistas, se cham os poderosos e intocáves. Mas o importante não é se são velhos ou jovens, mas se ainda existem e se distribuem ódio e preconceito por aí. Teu sobenome é Steiner ou é apenas de algum nazistas ídolo de infância?..

Lutador Antifascista
Lutador Antifascista
2 meses 12 dias atrás

… Steiner, se for nazista jovem dá para pendurar de cabeça para baixo e torturar por dias com uma barra de ferro e depois enterrar num cova bem profunda, se for nazista velho aí tem que ser mais rápido e mais dolorido… kkkkkkkkkkkkkk

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas