Nilton Servo, que disputou uma vaga a Assembléia Legislativa pela coligação Vote 12, está pedindo a impugnação dos resultados das eleições para deputado estadual no Paraná. Ele pede também a perícia técnica das urnas pela Polícia Federal, em especial as da seção 107 de Nova Esperança, em que foi preso um fiscal da coligação Vote 12, e da seção 40, sorteada pelo TRE como urna de contingência de votação paralela.

Servo questiona a percentagem de 8,10% de votos de legenda para deputado estadual no Paraná, que chegou a 19% em sua base eleitoral, na região de Nova Esperança e o faz suspeitar de adulteração do resultado pela transferência de seus votos para a legenda do PDT.

“Neste pleito, examinando-se os resultados para deputados estaduais nos municípios paranaenses, é de fácil demonstração que os votos do impugnante foram diminuídos significativamente através de defeitos das urnas eletrônicas, decorrentes de vícios ocultos ou de programação premeditada, migrando para outros candidatos da mesma Coligação Partidária, para os votos de legenda e para os votos nulos. Registre-se que outros candidatos sofreram o mesmo prejuízo, como o deputado estadual Alborghetti”, pondera Servo na ação.

Ele destaca que ocupou em sua base os primeiros lugares em exposição na TV, veículou “outdoors” pelo Estado inteiro, promoveu grandes comícios e carreatas, organizou comitês com a contratação de cabos eleitorais, mas seus votos foram transferidos pelas urnas eletrônicas ” acentuadamente para os votos de legenda, de tal forma que os votos da legenda do PDT representam verdadeiras aberrações em relação à soma dos votos dos candidatos”.