Com mais de 234 leitos fechados nos últimos dez anos, o Hospital de Clínicas de Curitiba (HC) deverá agora seguir recomendações do Ministério Público Federal (MPF) para que seus 560 leitos voltem a funcionar integralmente. Hoje estão abertos menos de 400 leitos.

Ontem, o MPF no Paraná expediu recomendação ao reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Zaki Akel, para que o HC se adeque e solicite à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) a realização de estudos para saber o que é necessário para que os 560 leitos do hospital fiquem aptos para ser utilizados no atendimento aos pacientes. Este estudo deve dimensionar quais são os serviços humanos e recursos dos quais o HC tem carência. Caso o hospital não cumpra esta recomendação em até 48 horas, o próprio MPF solicitará este estudo à Ebserh.

O Hospital de Clínicas é o maior prestador de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) do Paraná e tem enfrentado dificuldades ao longo dos últimos anos. Somente em 2013, foram fechados 94 leitos no HC. A situação também é crítica com relação ao número de funcionários. Em 2003, o hospital tinha 3.470 colaboradores e, dez anos depois, o número passou a 2.910, uma redução de 560 colaboradores. Em reportagem publicada na Tribuna de 25 de outubro, uma residente confirmou que os médicos são obrigados a escolher quem será atendido e quem voltará para casa sem atendimento.

Rejeição

Na última entrevista à Tribuna, o diretor geral do HC, Flávio Daniel Saavedra Tomasich, disse que o problema da falta de funcionários só será resolvido efetivamente com a realização de um concurso público. “A falta de funcionários vem desde a inauguração do hospital, em 1961, e com a diminuição do quadro de colaboradores perde-se a excelência no atendimento e na pesquisa”. Mas a realização de concurso depende de autorização do MEC. A assessoria do ministério informou que todos os concursos para hospitais universitários serão realizados pela Ebserh, criada pelo governo federal para atuar na gestão dos hospitais.

Porém, em agosto de 2011, o Conselho Universitário da Universidade Federal do Paraná (UFPR) rejeitou a proposta de adesão do HC à Ebserh. Para Tomasich, o maior problema está na forma de gestão da Ebserh. “Eles têm um modelo único de gestão e os hospitais federais têm características e necessidades específicas. Existem hospitais com 60 leitos, outros com 600 e não se pode administrá-los da mesma forma”, apontou Tomasich.