O gabinete e a casa do prefeito de Guaratuba, Roberto Justus (DEM), filho do deputado estadual Nelson Justus (DEM), são alvos de uma operação do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – força-tarefa do Ministério Público, na manhã desta terça-feira (17). Os policiais cumprem sete mandados de busca e apreensão por conta de uma operação que investiga fraudes na licitação da coleta do lixo em Guaratuba, litoral paranaense. As buscas ocorrem também em Curitiba, no escritório da empresa vencedora da licitação e na casa de empresários vinculados à empresa. Roberto Justus, inclusive, já esteve envolvido em uma polêmica na qual ameaçou servidores de demissão após fracasso do pai em eleição.

Em Guaratuba, além da casa e do gabinete do prefeito, as buscas ocorrem no gabinete do procurador municipal e também nas salas da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e do Setor de Licitações do Município. Policiais buscam ainda computadores, pendrives, arquivos eletrônicos e documentos nas casas do chefe de gabinete da prefeitura e também da procuradora do cidade.

A investigação da Operação Represe apontou que houve falha na gerência da empresa de gestão de resíduos na elaboração do edital que terminou na contratação da mesma para o serviço, em 2018.

Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.

Depois deste período, a empresa chegou a ser contratava novamente em outros três momentos e sem necessidade de licitação. Em julho de 2019, em novo processo licitatório – com os mesmos critérios do edital de 2018, que foram contestados pelo Tribunal de Contas do Estado do Paraná –, a empresa foi contratada novamente pelo cidade. As ordens judiciais foram expedidas pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná.

A prefeitura de Guaratuba informou que está colaborando com as investigações, que seguiu os trâmites legais dos processos e que repudia qualquer pré-julgamento.