Três africanos de 29 anos foram acolhidos pela Polícia Federal em Paranaguá, no Litoral do Paraná, depois de uma viagem clandestina de 15 dias em um navio que partiu de Conakri, capital da Guiné. Nos quatro primeiros dias, os jovens viajaram no tronco do leme, que fica na parte de fora da embarcação.

+Viu essa? “Por um lado é um alívio, mas a gente precisa ver justiça”, diz pai de Rachel Genofre

De acordo com a Polícia Federal, um dos africanos quer ficar no Brasil e os outros dois tinham intenção de seguir para a Europa. Em primeiro depoimento prestado à Capitania dos Portos na última quinta-feira (19), eles disseram que chegaram nadando ao leme e que lá ficaram por quatro dias até decidirem avisar a tripulação.

“Eles bateram para avisar o pessoal do navio porque já estavam passando necessidade. Geralmente, em casos assim, eles ficam o maior tempo que dá porque, se forem descobertos no começo, o navio volta”, contou o delgado da PF em Paranaguá, Gilson Luz.

+ Leia mais: Construção de trincheira na BR-277 faz trânsito ser desviado na Grande Curitiba

Os jovens ainda não foram formalmente ouvidos pela polícia, mas, segundo Luz, o trio foi bem alimentado e recebeu roupas durante a viagem. Até que o caso seja analisado pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) — que é quem vai decidir se eles ganharão refúgio no país ou se voltarão para a Guiné —, eles seguiram abrigados pela agência marítima que recebeu a embarcação.

Parte de viaduto desaba nesta madrugada em Curitiba